Internet - oriente bem seus filhos

Internet  oriente bem seus filhos

Antigamente, era comum que crianças e adolescentes se divertissem com os amigos na rua. Mais tarde, quando os índices de violência cresceram, muitos pais preferiram trazer os filhos para dentro de casa, longe das pessoas mal intencionadas. Mas, com a onda virtual, o inimigo também entrou.

Por isso, mesmo com a mudança na cultura e na maneira de muitas crianças se divertirem, os crimes contra menores continuam crescendo. E as grandes novidades são casos em que a vítima encontrou o criminoso no ambiente virtual.

O mais curioso é que os responsáveis poderiam ter evitado a maior parte desses crimes, orientando seus filhos a respeito dos riscos do mundo virtual. E por que não os orientaram? A resposta é bem simples e está no livro de Gregory S. Smith, "Como proteger seus filhos na internet: Um guia para pais e professores" (Novo Conceito, 2009). "Hoje, a maioria dos pais não tem a mínima ideia sobre informática, nem sobre a internet, muito menos sobre os riscos que vêm a reboque".

Em 11 capítulos, o autor apresenta a internet de forma simples para pais e professores. Em seguida, ensina a maneira segura de usar diversas ferramentas on-line - sites de busca como o Google, e-mails, sites de relacionamento, como o Orkut, e de mensagens instantâneas, como o MSN.

Apesar de entenderem mais de tecnologia que os pais, vários jovens são seduzidos por estranhos em conversas viabilizadas pela rede. "Muitos adolescentes simplesmente não compreendem os riscos que correm quando acessam a internet nem que podem se prejudicar muito em consequência da ingenuidade", explica Gregory em seu livro. E os responsáveis precisam reconhecer que, por mais maduros que pareçam, os adolescentes ainda precisam de cuidados com a segurança.

Um exemplo comum é o interesse do público infanto-juvenil por sites de relacionamento. Na maioria das vezes, eles criam perfis em que mentem a idade - já que é proibido que os menores de idade tenham perfis em tais sites - por indicação de amigos. No entanto, acabam se expondo a diversos riscos quando não recebem a devida orientação. Revelam informações como endereço, número de telefone e rotina diária a pessoas completamente estranhas.

"Embora populares dentre adolescentes e adultos também, é impressionante ver a quantidade de informações que os membros desses sites revelam sobre si a milhões de outros estranhos. É ali que reside o perigo para os menores - que, em geral, acabam se expondo a tópicos polêmicos quando se conectam a tais sites, ou se colocam em risco ao se exporem demais a possíveis predadores sexuais", alerta Gregory.

Para o autor, que é especialista em Tecnologia da Informação e pai de dois filhos, é importante que os pais conheçam bem a rede para que possam prevenir situações perigosas. "A internet e as tecnologias que possibilitam interação on-line podem ser um lugar perigoso para os jovens menores de 18 anos. Os perigos são reais e os pais deparam-se com muitas ameaças que não compreendem totalmente".


Os pais são referenciais na vida de seus pequenos. E já está na hora de todos se conscientizarem desse papel. Como diz Gregory, "não tenha medo de ser pai/mãe". Se você não deixa seu filho andar sozinho por um lugar estranho, não deixe que ele navegue por um espaço tão amplo como a internet sem supervisão e acompanhamento. Apesar de o ambiente não ser físico, ele proporciona interação com todo tipo de indivíduo, muitos com intenções ruins. Sua criança ou adolescente merece todo o cuidado e atenção.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente