Filhos únicos: amados (ou mimados) demais?

Filhos únicos amados ou mimados demais

No corre-corre da vida cotidiana moderna, muitos casais optam por ter apenas um filho. Alguns são porque não querem mesmo outra criança. Outros por falta de condições financeiras. Seja qual for o motivo, essa é a realidade de muitas famílias.

O filho único pode ser sinônimo de conforto. Por ser o primeiro, normalmente ganham dos pais tudo de bom e do melhor. Não que isso seja ruim, mas alguns pais simplesmente não impõem limites e os filhos acabam vítimas de tanta atenção. Acabam mimados, acomodados, birrentos, egoístas e apresentam mais um bocado de problemas que, se não resolvidos durante a infância, podem se tornar uma dificuldade na vida adulta.

“Muitos pais acham que devem dar tudo o que podem ao filho, por ser único, cultivando a idéia de que ele é o centro do mundo. A criança, ao crescer com excesso de tudo, não aprenderá a valorizar o que tem, sentindo-se sempre insatisfeito. Ser feliz com o que se tem é um importante aprendizado”, alerta a psicóloga e psicanalista Cláudia Finamore, de São Paulo.

Por esse motivo, os papais de primeira viagem devem prestar muita atenção em como tratam e educam seus filhos. Alguns dos principais problemas enfrentados nessa situação têm solução. E sem desesperos.

Para a superproteção, por exemplo, tão presente nesses casos, a psicóloga ensina: “entre a proteção saudável e a exagerada, muitos pais sentem dificuldade em estabelecer seus próprios limites, mantendo uma relação confusa com o filho, gerando incompreensão e prejudicando a autoconfiança da criança”. Moderando a preocupação e policiando a insegurança normal que os pais sentem com relação ao primeiro filho, eles estarão contribuindo para uma relação harmoniosa para ambas as partes. “Os pais devem saber lidar com suas inseguranças e expectativas para que não exagerem nos cuidados e nas cobranças em relação ao filho único”, completa.

Outro desafio enfrentado pelos pais é não mimar os filhos. Uma solução é fazer com que ele aprenda a dividir e, para isso, é necessário que ele tenha com quem dividir. “O filho único, em casa, tem poucas oportunidades de dividir espaços, atenções, emprestar e pegar emprestado. Os pais podem facilitar a socialização do filho único com outras crianças, os deixando frequentar a casa de primos e amigos, como também convidar crianças para sua casa”, sugere Claudia. Ela afirma ainda que é fundamental os pais não se colocarem 24 horas à disposição dos filhos. Assim, eles estabelecem limites e a criança entende o quão importante é aprender a dividir e aguardar a sua vez.

Para finalizar, é muito importante que os pais aprendam a lidar com suas próprias frustrações e não depositem os sonhos nos filhos, esperando que eles sejam aquilo que não são. “O filho único sente-se muito cobrado, acreditando precisar ser perfeito em tudo o que se dispõe a fazer. Essa alta expectativa pode levar a criança a ficar ansiosa e insegura, prejudicando o desenvolvimento”, encerra a psicóloga.


Tomando um pouquinho de cuidado, os pais só contribuirão para o crescimento saudável de seus pimpolhos. Com essas dicas, resta apenas dar todo amor e carinho que puder. Mas sem exageros, claro!

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente