Filhos. Espelho dos pais.

Sempre ouvi dizer que os filhos são o espelho dos pais. Em especial das mães. Talvez seja esse o motivo de muitas vezes eu lutar para que meus filhos não façam o que eu faria em determinadas situações pelo fato de eu não gostar de ser como eu sou. Quero que ele seja o oposto das coisas que abomino em mim e muitas vezes aconselho não da forma como eu agiria, mas dentro do que seria melhor pra eles. E me irrito quando me vejo em minha filha, quando percebo algum comportamento meu nas suas atitudes È complicado essa herança de comportamentos que a gente adquire dos pais transmite aos filhos. Difícil ser exemplo quando temos nossos defeitos e chega a ser angustiante tentar passar para nossos filhos apenas qualidades e valores que não temos. Falar que não devem fumar soltando fumaça pelas ventas, dizer que não devem xingar o motorista barbeiro quando eu mesma faço isso. Como dizer que sou uma pessoa cheia de defeitos e que não gostaria que eles fizessem o mesmo, já que a imagem das mães é sempre a imagem de santa. Embora muitas vezes tentando ser o oposto da minha mãe às vezes me pego agindo da mesma forma que ela. Outras vezes exagero tanto nessa negação que chego a ser irresponsável nas minhas atitudes. Exemplo disso é o cuidado com a minha saúde. Mamãe é hipocondríaca, não se pode falar de uma simples dor de cabeça e ela já começa a citar exemplos de pessoas que morreram de câncer no cérebro. Não lembro o ano que fui no médico e aqui em casa não existe farmacinha no banheiro. Ela tem um certo "encanto”por tragédias. Se souber noticias de queda de raio, passa meses sem sair de casa nos dias de chuva. Adoro tomar banho de chuva, aliás não fico em casa em dias chuvosos, invento qualquer coisa pra fazer na rua.

A sua postura diante de um casamento fracassado, de aceitar calada as traições, as humilhações e atribuir tudo isso a falta de sorte na vida. O seu excesso de humildade diante da vida, o conformismo absurdo perante as injustiças sofridas, o sonho não realizado de ser atleta, tudo isso é bastante incômodo pra mim e por me causar tanta repugnância acabo agindo com doses cavalares de exagero, perdendo a noção da razão e do equilibro. Tem coisas em mim que meus filhos até admiram, e brincam com meu jeito exagerado de ser, o jeito de brigar pela vida, de lutar pelos meus direitos e defender meu ponto de vista com unhas e dentes, mas eles não sabem que eu não sou essa pessoa, que tudo isso é uma negação da herança, desse “dna” psicológico que a custa de muita luta eu tento acabar. O que desejo realmente é que meus filhos sejam felizes, que sejam eles mesmos, e que nunca percam a herança genética que há nas mulheres da nossa família que é o amor incondicional que temos por nossos filhos.

Comente