Filhos de Equilibristas

Trabalhar ou não trabalhar? Eis a questão que ronda muitas mães que têm uma carreira profissional. Nem todas as mulheres podem se dar ao luxo de fazer esse questionamento, mas muitas que podem, vacilam diante dessa questão. E várias vezes o vacilo vem por causa dos filhos. Ou melhor, pela separação compulsória entre mãe e filho provocada pelo fato da mãe ter que sair de casa e ir trabalhar.

Eu mesma já me fiz várias vezes esse questionamento. Mas hoje tenho uma opinião firme sobre o assunto e são justamente meus filhos que me “empurram” nessa direção. Sou do grupo das mães que defende o trabalhar fora. Acredito que, também para meus filhos, essa é a melhor decisão que eu posso tomar. Para os filhos, pais e mães são modelos de vida. Desde pequenos eles gostam de nos imitar em muitas coisas: usando nossas roupas, fazendo gestos parecidos ou repetindo frases feitas. E não é diferente em relação ao trabalho. Meus filhos, Beatriz e Gabriel, me vêem trabalhar, batalhar e acompanham minha dedicação ao trabalho. Converso com eles sobre o que gosto e o que não gosto em relação ao trabalho. Falo sobre o prazer de trabalhar e também sobre as dificuldades que enfrento.

No meu balanço pessoal acho que o caminho é esse mesmo. Sinto que esse é o modelo de mulher que quero passar para eles. De alguém que trabalha e batalha por suas coisas. Que busca crescer e evoluir sem deixar de estar perto deles. Posso não estar junto deles em todos os momentos, mas tenho certeza de que eles sabem que eu estou por “perto”. Trabalhar não me faz uma mãe pior do que outras.

Acreditem: trabalhar vale a pena! Por nós e por nossos filhos.

Cecília Russo Troiano é psicóloga, sócia-diretora da Troiano Consultoria de Marca e autora do livro “Vida de Equilibrista”. Casada e mãe de 2 filhos, ela afirma que é mãe equilibrista, vive sua vida tentando equilibrar “pratinhos”. Email - cecilia@troiano.com.br Venda do seu livro pelo site www.vidadeequilibrista.com.br

Comente