Falar sobre sexo incentiva os filhos a transarem mais cedo?

mãe filho adolescente

Foto - Shutterstock

De acordo um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Georgetown, EUA, ensinar adolescentes sobre sexualidade saudável, antes de começarem a vida sexual, é mais eficaz do que começar a falar sobre o assunto, após ficarem sexualmente ativos.

O estudo diz que falar sobre sexo em uma idade em que os hormônios ainda estão no controle é uma chance de diminuir preconceito entre gêneros, muitas vezes, apoiado por seus pais, famílias e comunidades. A pesquisa mostra que falar sobre sexo, leva os filhos a buscarem realizar as atividades sexuais com mais segurança.

O levantamento incentiva a educação sexual e mais discussões sobre a saúde sexual - anticoncepcionais, sexualidade, hormônios, etc. - do jovem com o próprio jovem. Os pesquisadores buscaram mostrar que é possível falar com as crianças, dentro de uma idade certa, sobre sexualidade de uma forma saudável e sem controles ideológicos.

Os especialistas recomendam que os pais comecem a falar com os filhos sobre sexualidade, de uma maneira sutil e que não promova o preconceito ou disseminação do tabu. Não existe idade-base, mas recomenda-se que o assunto comece a aparecer a partir de 12 anos - claro, dentro da leveza de cada idade.

Caso pense que falar sobre sexo é um jeito de estimular a criança a praticar o ato, saiba que não existem estudos que apontem o aumento de interesse por sexo do adolescente, após a conversa entre pais e filhos.

De acordo com uma pesquisa feita por uma empresa especializada em artigos de proteção sexual, o Brasil é o país que começa as atividades sexuais mais cedo, porém também é o lugar - dentre os 37 países pesquisados - o local onde os adolescentes tem mais consciência sobre proteção de anticoncepcionais.


Comente