Educar à luz de velas

Educar à luz de velas

Talvez hoje o bem mais precioso do planeta seja o tempo. E a escassez de tempo seu maior inimigo. Falta tempo para tudo: para trabalhar, para ir de um lugar para outro, para sair com amigos, para curtir a família, para fazer compras, para alguns até falta tempo para gastar dinheiro e também falta tempo para conversar calmamente com nossos filhos! Disso ninguém duvida.

Aproveito então para acrescentar mais uma raridade da atualidade: a concentração. Somos "chamados" a todos os momentos por inúmeros estímulos que nos cercam: celulares, smartphones, computadores, televisão, Ipads. Sem falar nos softwares que alimentam esses gadgets: emails, Facebook, MSN, Twitter, blogs e afins. Em tempo: acho tudo isso maravilhoso, mas que toma um tempo imenso nosso e de nossos filhos, disso não tenho a menor dúvida. A combinação da falta de tempo com a desconcentração geral pode ter um efeito bem maléfico para a vida em família.

Claro, que muitas famílias criam estratégias para conversar com os filhos, trocar ideias, discutir e aparar divergências. Mas acredito que vocês concordarão comigo que educar filhos exige tempo e dedicação. Além disso, precisamos que ambas as partes, pais e filhos, concentrem-se naquela tarefa, para falar e ouvir. Pois é, se nos tempos atuais tempo e concentração são bens raros, estamos diante de uma encruzilhada.

Aqui em Aldeia da Serra, certamente meus vizinhos não vão me desmentir, falta luz com alguma frequência. Chequei em casa um dia desses e ao chegar, nada de luz. Meus filhos estavam impacientes, andando de um lado para outro da casa. Para eles nada pode ser feito sem eletricidade, o mundo da geração de nossos filhos é 100% movido a energia. Eles, impacientes, rodavam pela casa à caça de algum passatempo enquanto não chegava a hora de jantar.

Ai veio o melhor da noite: o jantar! Todas as noites jantamos os quatro juntos, ao redor de uma pequena mesa redonda, ao lado da janela do jardim. Mas sempre comprimidos pelo tempo e pelas distrações digitais, o jantar é mais rápido do que nós, pais, gostaríamos. Eles querem encerrar o jantar para ir ao MSN ou para o Skype falar com o namorado. Logo vem a frase, posso levantar? Mas tudo foi diferente nesse dia, graças à falta de luz. Acendemos velas e degustamos o jantar. Calmamente. Conversamos muito, os quatro sem pressa, sem conexões que nos esperavam, sem distrações digitais e sem TV. Foram duas horas deliciosas, preciosas e com tempo de sobra. Cada um contava uma história e tínhamos tempo e interesse para ouvir a história do outro. Um tempo de qualidade, inesquecível, feliz.


Sem desprezar a incrível invenção de Thomas Edison no século XIX, talvez, para a educação de nossos filhos, educar à luz de velas ainda seja uma grande receita. Fica então lançado um desafio para todos nós pais: como podemos educar nossos filhos com mais "jantares à luz de velas" ? Nunca mais vamos nos esquecer daquela noite, tenho certeza.

Cecília Russo Troiano é psicóloga, sócia-diretora da Troiano Consultoria de Marca e autora do livro "Vida de Equilibrista". Casada e mãe de 2 filhos, ela afirma que é mãe equilibrista, vive sua vida tentando equilibrar "pratinhos". Email - cecilia@troiano.com.br / Venda do livro pelo site www.vidadeequilibrista.com.br

Comente