Doenças que afetam os órgãos genitais dos meninos

Doenças que afetam os órgãos genitais

Ao contrário do que toda mãe sonha, crianças não têm apenas resfriados e pequenos desconfortos. Doenças no sistema reprodutor masculino infantil não são raras e merecem toda atenção. Algumas são silenciosas e se instalam sem fazer alardes.

Assim como todas as enfermidades, as que afetam o sistema reprodutor dos meninos podem ser divididas em dois grupos, o das adquiridas e o das congênitas. Como o próprio nome diz as adquiridas se instalaram em indivíduos originalmente saudáveis. No caso das congênitas o bebê nasceu com alguma anormalidade.

Segundo o Dr. Cid Fernando Pinheiro, pediatra e chefe de duas unidades de PS Infantil do Hospital São Luiz, as doenças congênitas mais comuns são as referentes à localização anormal ou algum tipo de alteração nos testículos. "A criança pode vir a ter testículos ectópicos, má formação nos canais que ligam o saco escrotal à uretra, ou ainda alteração na anatomia do pênis", afirma o pediatra. Durante a gestação, os testículos se formam no abdômen do feto e após o nascimento o normal é que eles desçam para o local onde somos habituados a vê-los. Quando isso não é ocorre os chamamos de testículos ectópicos.

Há uma variedade ampla de doenças adquiridas. Uma delas provém de alterações hormonais. Quando os testículos passam a produzir espermatozóide, o sistema autoimune entende que as células que compõem o esperma são anômalas ao organismo e passa a combatê-las. Quando uma caxumba atinge a região genital dos meninos é comum as pessoas dizerem que a caxumba desceu. "Na verdade ocorre que o vírus pode atacar outras glândulas do corpo, além das presentes na região do pescoço", elucida o Dr. Cid Pinheiro.

Caxumba é uma doença infecciosa que pode ser prevenida por meio de vacinação. Quando o vírus ataca os testículos pode deixar o adoentado infértil ou até mesmo estéril. "O saco escrotal não suporta aumento de temperatura e essa variação pode alterar a produção de espermatozóides", justifica o pediatra. Traumas seguidos de inflamação e exposição excessiva a raio-x, ou qualquer tipo de radiação, também pode influenciar na produção de sêmen fértil.

Além do próprio câncer, drogas usadas no combate ao tumor podem atingir o saco escrotal trazendo complicações. Casos como de testículos ectópicos, má formação do pênis e traumas há necessidade de intervenção cirúrgica. Os demais são irreversíveis.


O pediatra, Cid Pinheiro, lembra que o mais importante é a prevenção: "Fazer um pré-natal completo é indispensável. Logo que o bebê nasce é realizado um exame chamado ‘6 horas’, que corresponde a uma avaliação completa. Por meio dele pode-se detectar ausência de testículos e formato anormal do pênis", esclarece. Inflamações se manifestam por meio de dores locais e febre. E como os tumores são indolores, é importante ficar atenta a qualquer nódulo que se forme na região.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: crianças doença