Depoimento de Xuxa traz à tona a questão do abuso infantil

[img=1]

A apresentadora Xuxa Meneghel participou do quadro "O que vi da vida", no programa "Fantástico", exibido no domingo (20), e fez revelações surpreendentes a respeito de sua vida pessoal. Além de falar sobre relacionamentos e carreira, ela remexeu em algumas feridas que hoje sangram.

Uma delas levou a rainha às lágrimas: foi vítima de abuso sexual até a adolescência. Ao falar dos projetos sociais que defende e das crianças que são abusadas sexualmente por pessoas próximas, Xuxa afirmou que conseguia se colocar no lugar de todas elas. "Eu abracei essas causas todas porque eu vivi isso na minha infância e na minha adolescência até meus 13 anos", revelou.

Xuxa disse que, assim como muitas crianças, ela se achava culpada e tentava encontrar nas suas vestimentas e atos os motivos pelos quais sofria os abusos. "Não foi uma pessoa, foram várias, em momentos diferentes da minha vida", desabafou. "Ao invés de falar, eu me calava, eu sentia vergonha, me sentia mal, me sentia suja".

Após uma pausa, continuou: "Eu não me lembro direito, mas eu sei que eu era muito nova. Mas me lembro do cheiro. Tinha cheiro de álcool, tinha cheiro de alguma coisa e eu não sei quem foi. Depois aconteceram muitas vezes. Parou aos 13, quando eu consegui fugir".

E disposta a abrir o jogo de vez, ela citou duas pessoas que se aproveitaram dela: "Uma das vezes em que aconteceu foi com o melhor amigo dele (do seu pai), que queria ser meu padrinho. Uma das vezes também foi com o cara que queria casar com a minha avó (mãe da mãe dela)".

Durante o depoimento, Xuxa falou uma coisa que talvez tenha mexido com muitos pais: o fato deles não prestarem atenção às mudanças de comportamento dos filhos. "Talvez eles deveriam ter notado que quando eu não estava falando muito (eu que gosto de falar demais), era porque estava acontecendo uma coisa comigo."

Magoada com o que aconteceu, Xuxa nos convidou a fazer uma reflexão: "Então a errada era eu? Eu não sabia o que era eu não tinha experiência! Se você me perguntar porque aconteceram as coisas comigo eu ainda vou achar que foi minha culpa."

Segredo Segredíssimo

O depoimento de Xuxa traz a tona uma realidade alarmante em todo país. Para se ter uma ideia, 52 mil denúncias no Disque 100, mantido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, entre 2003 e março de 2011 — não chegam aos pés da realidade. A maioria das crianças abusadas pelo pai (38% dos casos), pelo padrasto (29%), pelo tio, pelos vizinhos e por desconhecidos tem medo de denunciá-los e, quando o fazem, a família prefere abafar o escândalo — ou até mesmo é conivente com a situação.

A escritora baiana Odívia Barros também foi vítima de abuso sexual. Ela, que sofreu abuso sexual durante a infância, se motivou a escrever um livro para ajudar pais, psicólogos e professores a orientarem as crianças a lidarem com o abuso sexual. A obra, chamada de "Segredo, segredíssimo", foi fruto de uma preocupação maternal.

"Quando minha filha estava com cinco anos eu não sabia como abordar o assunto. Desde que ela nasceu eu tinha essa preocupação de como falar sobre esse isso. Se você não fala, a criança fica exposta e só aprende na prática", explica Barros.


Com 31 páginas e ilustrações da carioca Thais Linhares, o livro conta a história de Alice, que fica sabendo do grande segredo de sua amiguinha Adriana e a orienta a pedir ajuda. A narrativa bate na tecla de que a principal atitude a se tomar é contar aos pais o ocorrido ao invés de guardar um segredo.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente