Crianças também sofrem de TPN (Tensão Pré-Natal)

Crianças também sofrem de TPN

Foto: Barbara Chase/Corbis

Engana-se que pensa que as festas de fim de ano mexem somente com os adultos. As crianças, vendo seus familiares correndo com os preparativos para celebrar o Natal, passam também a ficar inquietas e acabam sofrendo por não apresentarem muita maturidade para lidar com sentimentos como esses.

Adultos e crianças possuem expectativas diferentes em relação ao Natal. Enquanto os pequenos não veem a hora de saber o que o Papai Noel vai deixar para eles debaixo da árvore, os mais velhos são tomados por sentimentos de tristeza, porque aproveitam o momento para fazer um balanço da vida e lembrar de algum ente querido que faleceu e que fará muita falta na ceia deste ano.

Para a psicóloga Luize Garé a criança passa por um momento de ansiedade nessa época e pensa que este sentimento está ligado à dúvida sobre os acontecimentos futuros. ‘Que brinquedo será que ganharei?’ ‘Será que este ano me comportei direito e então oPapai Noel vem me visitar?’ ‘No ano passado não ganhei a bicicleta que pedi, será que este ano eu vou ganhá-la?’

"Crianças que ficam excessivamente ansiosas no Natal provavelmente têm o mesmo comportamento em outras situações. Então é hora de os responsáveis buscarem ajuda de um psicólogo para entender o que está levando seu filho a ter tal comportamento", orienta. Uma forma de conter esse sentimento é trabalhar a expectativa dos pequenos. "Se o filho pediu um Ipad e os pais não têm condição de atender ao pedido é preciso conversar com ele e orientar que tenha outras opções de presentes."

Por outro lado, a psicóloga e pedagoga Penélope Ximenes acredita que a criança passa não por ansiedade, mas sim por um momento de agitação, mas que também está ligado à troca de presentes. Não só no Natal, mas em qualquer data que seja sinônimo de presentes fará com a criança fique mais eufórica.

"Alguns pais geralmente vinculam bons presentes a um bom comportamento no decorrer do ano, mas em termos psicológicos isso tende a não ter muito sucesso, pois o Natal é uma data muito distante e as crianças não conseguem planejar o seu comportamento a longo prazo", explica Penélope. "Talvez essa relação cause algum desconforto em algumas crianças, mas não acredito que possamos chamar de ansiedade", completa.

Para conter os sentimentos exaltados da criança outra opção é colocá-la para ajudar na preparação da ceia. "É sempre positivo tentar envolvê-la na atividade, dando-lhe tarefas de acordo com a sua idade e maturidade", diz Penélope. Luize completa: "A participação da criança nos preparativos permite que ela viva a magia que envolve o Natal."


É importante também que os pequenos percebam aos poucos que o Natal vai além dos presentes, mas essa mudança de pensamento vai depender e muito da postura dos pais. Nesse sentido Luize e Penélope comentam: "Cada família dá um significado particular às datas comemorativas. Se a família incentiva que Natal é só troca de presentes a criança vai aprender isso. Muda-se essa visão com atitudes, se comportando de um jeito que não valorize só os presentes ou só as palavras."

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente