Crianças com medo de dentista

Crianças com medo de dentista

Foto: Divulgação

Não há Cristo que convença seu filho a sentar-se na cadeira do dentista sem abrir um berreiro ensurdecedor? Pois acredite, não faltam recursos para diminuir o sofrimento dos pequenos. Desde métodos anestésicos até brincadeiras lúdicas para distraí-los.

O maior erro de muitas mamães é esperar até que os dentinhos de leite caiam para levar a criança ao consultório. "Se uma criança for ao consultório desde os primeiros anos de idade, logo estará acostumada com os procedimentos e com a rotina, o que pode evitar reações negativas e desconfiança. Além disso, aumentam as chances de monitoramento do crescimento dos dentes, erupção dentária, interceptação de má oclusão e, sobretudo, prevenir problemas de cárie", explica o odontopediatra da clínica Topdente, José Eduardo de Oliveira Lima.

Até mesmo quando o filhote não passa de um feto é importante frequentar a clínica odontológica, pois as mães transferem problemas dentários para seus filhos por meio da corrente sanguínea.

Se você não fez nada disso quando seu filhote era um bebê, agora é a hora de tentar correr atrás do prejuízo e não deixar que o medo interfira na saúde bucal dele. Alguns consultórios investem na tecnologia para oferecer condições menos dolorosas às crianças.

A anestesia computadorizada, por exemplo, é um procedimento simples e bem menos dolorido do que o tradicional. A agulha utilizada é ultrafina diminuindo bastante a sensação de incomodo.

Criar um mundo de fantasias ou conciliar o tratamento com brincadeiras lúdicas pode ajudar na aproximação do profissional com a criança. A odontopediatra Andrea Goldmann, realiza procedimentos de limpeza, extração, tratamento de cáries, canal e até mesmo ortodentia graças ao método de atendimento diferenciado que ela mesma criou.

Andrea se veste de fada e outros personagens do cotidiano infantil para atender seus pacientes. Seu consultório passou a se chamar Dentilândia entre as crianças, que são transportadas a esta nova realidade por meio de uma cadeira odontológica em forma de nave espacial. As roupas temáticas também ajudam a criança a relaxar e não prejudicam em nada a higiêne do procedimento, pois segundo Andrea, tudo é esterilizado corretamente.

A varinha de condão é a responsável por fazer a transição e então, paciente e dentista começam a construir uma história de fantasia em que o dentinho é uma nova fadinha ou super-herói que precisa de cuidados. "Esta aproximação permite que eu explique de maneira divertida o que são os bichinhos da cárie e os do tapetão, que ficam na língua da criança. Também ajuda a fazê-lo entender a importância da escovação", explica.

O mundo de faz de contas distrai a criança que ainda não está acostumada a frenquentar o dentista e ajuda aquela que já está a se divertir enquanto cuida da saúde bucal. É uma das maneiras mais fáceis de driblar o medo de seu filho.

Por Mariana Benjamim

Comente