Comportamento infantil, tudo é tolerável?

Não é anormal os pais defenderem os comportamentos inadequados dos seus filhos, com a desculpa: são apenas crianças... São realmente crianças enquanto estão formando sua personalidade e valores, porém muitas coisas passam despercebidas e são ignoradas, nem serão lembradas para se justificar os comportamentos inadequados das crianças maiores, adolescentes e adultos.

O exemplo dos pais e das pessoas com quem os pequenos convivem é sem dúvida o maior ensinamento que se deixa de herança às crianças, porém, alguns comportamentos precisam ser ensinados sim, para que se crie o hábito e a noção de certo e errado.

Toda criança pequena vai passar pelas fases da mordida, de bater nos amigos, puxar cabelo entre outras “agressões”, que devem sim ser repreendidas e evitadas, mas cabe aí também, ensinar o valor da palavra desculpas, trocar o tapa por um beijo, um abraço, e criar o hábito do carinho no lugar da agressão. Parece bobo, mas é importante para as duas partes, a que fez “errado” e a vítima, que percebe que pode dar outra chance ao amigo.

Também não será o fim do mundo se seu filho “pegar” um brinquedo ou outro objeto de um amigo, sem pedir, isso se você conversar e fizer com que ele devolva pessoalmente, também com um pedido de desculpa. Se esse ritual for ignorado, você correrá o risco da criança achar que pode pegar sempre, sem permissão, que você dará um jeito. Também não é legal comprar um objeto igual achando que foi uma demonstração que a criança desejava ter aquilo, isso apenas a ensinará que ela poderá ter tudo na vida, e nós sabemos bem que não.

Toda vez que houver uma alteração de comportamento do seu filho, aproveite para ensiná-lo, não ignore a oportunidade que bate a sua porta, e não se esqueça que ele deve participar sempre para realmente entender o valor que está aprendendo.

Veja também

Crianças - tudo a seu tempoMichelle Maneira é pedagoga, com pós-graduação em psicopedagogia e especialização em tecnologias educacionais, professora de educação infantil da rede pública.

Comente