Como proteger as crianças dos perigos da web

Os pais devem ficar atentos e instruir os filhos a não caírem nas armadilhas online
Como proteger as crianças dos perigos da web

A Internet pode ser compreendida como uma janela aberta para a informação. No entanto, ao mesmo tempo em que dá acesso a assuntos pertinentes e ferramentas que facilitam a vida das pessoas, também é antro de atuação de cibercriminosos. Infelizmente, um dos públicos que está no alvo deles é formado por crianças. Por isso, os pais devem ficar atentos e instruir os filhos a não caírem nas armadilhas online.


Uma pesquisa realizada pela Safernet Brasil, organização não-governamental que atua no enfrentamento aos crimes e violações aos direitos humanos na Internet, mostrou que, no ano de 2013 foram registradas quase 25 mil denúncias de pornografia infantil. As estatísticas assustam. Mas é possível reverter esse índice, conhecendo as ameaças e adotando alguns cuidados.

Os principais perigos são acesso a conteúdo inadequado para a idade como, pornografia adulta e violência, informa o psicólogo e diretor de prevenção da Safernet, Rodrigo Nejm. Ele alerta para outra categoria de atividade ilícita: o cyberbullying. "Esse tipo de delito consiste em enviar mensagens com xingamentos, ofensas e humilhações, por meio de sites de relacionamento, blog, fotolog, celular e e-mails e muitas vezes é praticado pelas próprias crianças", completa. Se não for descoberto, o cyberbullying pode durar anos, causando sérios traumas à vítima. 

O conteúdo impróprio para crianças pode ser acessado via sites de busca. Rodrigo explica que, apesar de serem muito funcionais, esses sites também abrigam conteúdo ilegal. "Isso acontece porque eles não possuem um filtro para distinguir o que é adequado e o que é inadequado". 

Crianças e adolescentes costumam ser frequentadores assíduos de lan houses, os famosos espaços privados de acesso à Internet. Como em muitos estabelecimentos não é cobrada identificação ou cadastro, é preciso estar alerta. Esses ambientes podem agrupar, no mesmo espaço, pessoas de má índole e crianças.

Sites de relacionamento são um dos passatempos preferidos de crianças e adolescentes, mas também estão entre os mais acessados por criminosos. O diretor de prevenção da Safernet explica que os internautas, geralmente, acessam a Internet no âmbito da sua intimidade como no quarto, na sala e até na cama. Diante disso, associam o espaço disponibilizado na rede com sua intimidade. "A Internet é um espaço público, uma ferramenta que intensifica as relações sociais. Muitas pessoas não conhecem a dimensão de publicidade que tem e divulgam informações extremamente pessoais", conta.

Outra categoria de crimes que costuma acontecer com crianças é o aliciamento online. "Para se aproximar das crianças, os cibercriminosos costumam dizer que também são crianças. Outros falam que são adultos e se comportam de maneira amável para conquistar a amizade dos pequenos", conta Rodrigo. 

Ele diz que depois de conseguir estabelecer um vínculo com as crianças, esses criminosos começam a pedir informações pessoais como fotos, telefone, endereço de casa e da escola. "Ou pedem ainda para marcar encontros ou para a criança tirar a roupa diante da webcam", exemplifica.

Mesmo que os crimes contra os direitos humanos na Internet se multipliquem com a velocidade de um download, eles ainda podem ser evitados. O primeiro conceito que deve ser compreendido é que proibir não é a solução. O psicólogo diz que o diálogo é a melhor saída. "Os pais devem manter uma relação de amizade com os filhos, assim conquistarão a confianças deles".

Navegar na Internet com eles também é uma boa maneira de protegê-los "Peça que ele o ensine a usar o computador, tenha interesse sobre os assuntos que acessa. Se não souber mexer, não fique envergonhado", conta. Quando estiverem navegando na Internet, oriente-o a não divulgar dados pessoais em sites de relacionamento e peça que guarde segredo sobre as senhas de acesso e login que possui.

Por Cínthya Dávila (MBPress)

Comente