Como escolher e orientar o futuro profissional dos jovens

Como escolher e orientar o futuro profissional dos

Escolher qual carreira seguir nem sempre é fácil. Tirando os sortudos que nasceram com aquele "dom" especial e, desde sempre, sabem o que querem, o resto dos pobres mortais tem que se decidir entre muitas (e novas) opções.

Só na Universidade de São Paulo (USP), existem 100 escolhas que podem confundir o candidato. Levando em consideração que apenas na capital existem mais de 70 faculdades, podemos dizer que escolher o futuro profissional e o melhor ensino é praticamente impossível sem dúvidas.

Um bom começo são os famosos testes vocacionais. A psicóloga Gizele Laranjeira de Oliveira Sepulveda, assistente de orientação e informação do Centro de Integração Empresa-Escola - CIEE), conta que esse tipo de experiência ajuda no autoconhecimento, primordial nessa fase da vida. "Quando o jovem alcança o autoconhecimento, fica mais seguro para encarar um guia do estudante, por exemplo. E vai bem mais seguro consultar essas fontes, com o caminho mais ou menos já traçado. Com os testes, é possível se reconhecer, e reconhecer suas áreas de maior aptidão".

O teste vale tanto para quem quer ter certeza, quanto para quem está completamente perdido e sem ideia alguma do que seguir. "Se feito seriamente, pode ajudar bastante", garante a psicóloga.

Além dos cursos tradicionais - como Direito, Engenharia e Medicina - alguns jovens tem aquele espírito futurista, desbravador, e vão logo escolhendo profissões que não são tão comuns - preocupando a maioria dos pais. As chamadas "profissões do futuro" , que incluem carreiras nas áreas de massoterapia, quiropraxia, manutenção de aeronaves, engenharia industrial madeireira, internet e vídeo games, moda... e por aí vai.

Então como saber se é uma boa escolha, se tem mercado, se vai dar futuro? A única maneira é estar preparado. E, para isso, a melhor forma sempre foi e continua sendo a informação. "É preciso estar cercado dela. Quanto mais informações sobre o curso e a profissão em si, melhor", afirma Gizele. "É legal fazer pesquisas sobre mercado, passar um dia num local de trabalho de um profissional, visitar o curso e conversar com o coordenador, fazer tudo que dê mais segurança na hora da decisão", sugere.

Fazer algum curso técnico, por exemplo, também é de grande valia. Trabalhar na área depois de um curso desses - e antes da faculdade - pode ajudar o estudante a escolher se é uma boa continuar na área ou não e, de quebra, ele com certeza estará mais maduro para tomar alguma decisão posterior. "Alguns jovens de curso técnico chegam aqui com a certeza do que não querem", lembra.

Se os pais trabalham (ou tem amigos) em alguma área de interesse do jovem, vale à pena dar aquela ajudinha o levando para fazer uma visita ao serviço, mostrando como é a rotina de trabalho. Vivenciando aquilo, o estudante tem mais uma porta para saber se aquele caminho é bacana e pode ser seguido ou se a possibilidade já pode ser excluída do leque de opções.

Mas atenção aos pais que, por influência familiar tem aquele sentimento de forçar o filho a seguir o mesmo caminho que eles: podem parar por aí. Às vezes a carreira foi boa para você não será tão boa para o seu filho. O pai deve então estar ali para apoiar o jovem nas decisões e não forçá-las. "Pais podem auxiliar, acompanhar escolha, saber o que o filho quer, escutar sua opinião, conversar, ser aberto ao diálogo e, assim, sinalizar se o filho tem dúvidas, se está decidido", conta Gizele.

Se você se encaixa nesse perfil de indecisos que precisam de uma ajudinha para escolher a carreira ideal, ou tem filhos que estão nesse dilema, pode recorrer ao livro "Profissões 2010", lançado pelo próprio CIEE.

Lá você encontrará informações sobre 31 profissões, além de detalhes sobre as mais promissoras, com dicas até para conquistar vagas de estágio. O melhor de tudo é que você pode baixar o livro através do site http://www.ciee.org.br/portal/biblioteca/files/profissoes2010.pdf


Pesquisas em outros sites e guias de profissões podem, com certeza, vão ajudar no trabalho da escolha. O CIEE também disponibiliza laboratório de orientação profissional, feito especialmente para esse momento delicado. Lembre-se que o objetivo de tudo é transformar aquilo que o jovem mais gosta de fazer em futuro profissional.

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente