Como contribuir no desempenho escolar dos filhos

Como contribuir no desempenho escolar dos filhos

Uma das grandes preocupações dos pais é como tornar os filhos interessados no aprendizado ou, pelo menos, com o mínimo de dedicação aos estudos. O desafio maior é transformar tudo isso em realidade. Mas, se iniciado logo cedo, no início da vida escolar, pais (e filhos) não terão maiores problemas no futuro.

Tudo começa com disciplina. A psicopedagoga Maria Rocha, da Escola Ápice, de São Paulo, explica que quando a autonomia de uma criança é estimulada e valorizada, ela tende a apresentar uma melhor relação com a escola no geral. "As famílias de crianças que participam do cotidiano escolar estão estimulando o bom desempenho. Esta participação deve ser constante, aceitando as dificuldades da criança, mostrando-se disponível para ajudá-la, mas não fazendo as lições por ela", indica. A profissional ainda fala que o reconhecimento pelo trabalho bem feito conta muito. "Nunca se esqueça de valorizar o bom desempenho. O elogio vale mais que palavras de repreensão".

E valorizar não significa dar presentinhos todas as vezes que os filhos fizerem uma lição de casa ou terminarem um trabalho. Recompensas podem ser dadas, sim, mas com um bom motivo. "Não devemos vincular recompensas para resultados que são esperados, isto é, o que é dever do aluno é inerente à condição de estudante. No entanto, quando há um resultado acima da média e que é consequência de um esforço maior, este pode merecer uma recompensa, que deve ser primeiramente social, pois elogios são muito importantes para o desenvolvimento da auto-estima. Depois que os elogios estejam garantidos, pode-se pensar em recompensas materiais", orienta.

Uma boa dica que Maria deixa é iniciar o gosto pelos livros quando os filhos ainda são pequenininhos. "Ler para o bebê cria um vínculo com a literatura, principalmente se o filho puder observar os pais lendo com frequência. Se você estiver lendo o jornal, dê-lhe o caderno infantil. Faça da leitura um momento de prazer. Suas atitudes refletem o que você pensa", ensina especialista em educação.

Ela afirma que brincadeiras como "stop" e "forca" ajudam nessa aventura. Fazer palavras cruzadas, escrever cartas, bilhetes ou mesmo e-mails na frente dos filhos também são sempre de grande ajuda quando o assunto é "dar o exemplo". Outra dica é montar um cantinho aconchegante, onde a criança tenha fácil acesso aos livros preferidos. Colocá-los dentro de uma bonita caixa é perfeito, juntando o útil ao agradável. Assim como um brinquedo, livros também podem ser ótimos presentes. "Isto fará com que a criança valorize a leitura como um entretenimento, tal qual um brinquedo", afirma a educadora.

A escolha de um bom colégio é também é um ponto fundamental. De nada adianta as orientações se o ensinamento é ruim, ou defasado. Maria alerta: "não se deixe impressionar pelas instalações do colégio e pelas atividades extracurriculares que oferece. Você deve conhecer muitas escolas e dedicar bastante tempo procurando um bom colégio, conhecendo diferentes propostas pedagógicas. Peça referências às famílias de alunos e ex-alunos, mas acredite sempre na sua intuição. A criança não tem capacidade de escolher a escola, cabe aos pais fazer a avaliação. Deve haver identificação com a filosofia da escola e com a comunidade escolar. Questione quais são os procedimentos em caso de dificuldade escolar ou de comportamento do filho. Verifique o nível de formação dos professores".


A psicopedagoga garante que além de todas as precauções, o importante mesmo - que qualificará a escola como excelente - é aquela em que a criança estiver feliz e envolvida com o ensino proposto. Maria ressalta que nem todas as escolas públicas são ruins e nem todas as particulares são boas. O aluno também faz a diferença.

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente