Como as crianças podem ajudar nas tarefas domésticas?

Crianças nas tarefas domésticas

Os filhos devem estar inseridos na realização das atividades domésticas desde cedo. Estas são formas de ensinar princípios como responsabilidade e ainda ajudar os pequenos a se tornarem mais independentes. Porém, como muitos pais trabalham fora, não tem mais tempo de ensinar as crianças e acabam terceirizando estas atividades.

Segundo Maria Rocha, psicopedagoga, especialista em educação e coordenadora pedagógica do Colégio Ápice, ao compartilhar tarefas e responsabilidades coletivas, a família reflete sua própria essência, que é a da cooperação e não só a de convivência.

"A criança tem interesse espontâneo e natural de estar próxima aos adultos e imitá-los. Portanto, ela pode começar a ajudar nas tarefas de casa a partir do momento em que compreende ordens", diz. Ela afirma também que toda criança, respeitando-se sua capacidade, deve aprender a organizar seus brinquedos, seu quarto e seus materiais. "Os adultos podem ajudá-la, mas sem tirar dela essa responsabilidade", completa. "Entre as tarefas voltadas para a família estão arrumar a mesa do jantar, ajudar a lavar a louça e juntar a roupa para lavar", completa.

Quando os filhos têm contato com tarefas domésticas desde cedo, até alguns acidentes domésticos podem ser evitados. Isso porque, à medida que o adulto limita e supervisiona o uso de determinados produtos que oferecem riscos à saúde da criança, está ajudando-a a construir noções de autocuidado. "Se os pais apenas tirarem esses produtos do alcance dos pequenos, fatalmente quando eles tiverem a oportunidade, irão explorar esses produtos ou utensílios sem essa noção", esclarece Maria.

Em nenhum momento os adultos devem fazer acordos para que as crianças realizem alguma atividade dentro de casa. A melhor recompensa para elas é o incentivo, o elogio, o prazer que os pais demonstram por estar na companhia delas. "Os pais que atribuem tarefas e responsabilidades aos filhos, respeitando suas capacidades e limites, estão dizendo que acreditam neles, o que eleva a autoestima e autonomia dos mesmos", afirma a psicopedagoga.


Maria lembra os pais que o amor também serve para orientar, educar e exigir e que a disciplina que é construída hoje tem o objetivo de ordenar e organizar a vida familiar por muitos e muitos anos. "Não adianta começar a ensinar valores na adolescência. Nesta fase é mais difícil mudar hábitos. Além disso, quando o caráter cooperativo e voluntário é construído em família, seus membros terão prazer em ajudar dentro e fora de casa".

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente