Brincar é coisa séria! Veja a importância da atividade na vida das crianças

Férias  brincadeiras para todos

Foto: moodboard/Corbis

Que criança não adora passar a tarde inteira brincando com os coleguinhas? Todas! E embora alguns desconheçam, o brincar é muito importante na vida dos pequenos, pois além de diverti-los, auxilia em seu desenvolvimento motor, físico, mental, social e lúdico. Requisitos necessários para a sua formação.

"Quando a criança brinca, ela vivencia situações que representam as atividades que irá desempenhar na fase adulta. É através do universo do ‘faz de conta’ que ela elabora, representa seus sentimentos e vivencia os papéis que o adulto desempenha no seu cotidiano", afirma Josiane Santana, terapeuta ocupacional e diretora da Clínica Inclusiva de São José do Rio Preto.

A atividade, de acordo com Josiane, deixa a criança mais calma, relaxada, estimulada e com autonomia. "A brincadeira, quando direcionada por um profissional habilitado, como no caso do terapeuta ocupacional, vai favorecer o desenvolvimento de habilidades motoras, cognitivas e sensoriais, além promover a solução de problemas e estimular a criatividade", diz.

A especialista explica que quando o profissional avalia a criança, ele traça um perfil do seu desenvolvimento neuropsicomotor, ou seja, verifica em qual período de desenvolvimento ela se encontra e, inclusive, analisa o comportamento afetivo social dela. "Este diagnóstico favorece a prescrição do brinquedo adequado ao perfil do pequeno."

E salienta: "Antes da prescrição analisamos quais são os recursos que o brinquedo disponibiliza e quais estímulos ele contém. Brinquedos com potencializam os efeitos auditivos, visuais, táteis e olfativos são muito indicados e devem respeitar o limite de desenvolvimento cronológico e cognitivo do pequeno", salienta.


Quando o ato de brincar é estimulado interação da criança com o meio ambiente é facilitado, o que permite que ela se torne um adulto seguro, capaz de viver socialmente e preparado para desempenhar suas atividades cotidianas. Pensando nisso, brincadeiras que expõem a criança a situações de risco e que não possuem a supervisão de adultos devem ser evitadas. "Além disso, nunca estimule o seu filho com brinquedos que despertem a violência, como armas de brinquedo", ensina.

Veja algumas brincadeiras para diferentes faixas etárias sugeridas por Josiane Santana:

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente