Botinhas ortopédicas

Botinhas ortopédicas podem prejudicar seu filho

Eles andam, correm, pulam e brincam. Quando você se dá conta, os primeiros passos do bebê já se transformaram em corrida. Só que nessa hora sempre há alguém da família que nota algo diferente: o chamado pé chato, ou plano. Nada de pânico! Seu filho não está doente e pode até ser prejudicado se você insistir para que o médico prescreva o uso das famosas (e arcaicas) botinhas ortopédicas.

A preocupação com a forma dos pés, os desvios das pernas e as questões posturais estão entre os principais motivos que fazem os pais levarem os filhos ao consultório do médico ortopedista. Mas, segundo especialistas em ortopedia pediátrica, hoje em dia o uso destes tipos de calçados é bastante limitado.

Através de estudos recentes, sabe-se que as botinhas ortopédicas não alteram o desenvolvimento do pé chato. Isso quer dizer que, no passado, as crianças que foram consideradas curadas pelo seu uso possivelmente também o seriam se não recebessem nenhum tipo de intervenção. A mesma explicação vale para os pequenos que chegaram a usar botinhas ortopédicas devido a problemas de coluna. É claro que cada caso deve ser visto de forma individualizada pelo médico, com o objetivo de detectar problemas que possam necessitar de tratamento. O papel do médico consiste justamente em avaliar a criança, excluir determinadas doenças do sistema músculo-esquelético e esclarecer a família sobre a provável evolução natural de cada caso.

Alguns problemas específicos de coluna podem ser notados pelos próprios pais. Olhando a criança de lado, podemos avaliar quatro curvas normais: a lordose cervical, na região do pescoço; a cifose torácica, na região do tórax; a lordose lombar, na região abdominal; e a cifose sacral, na região da pelve. O aumento excessivo de alguma delas pode ter um significado, e merece uma avaliação médica especializada. Observando a criança pelas costas, a coluna deve ser reta, ou algo muito próximo a isso. O desvio neste plano é chamado de escoliose, e deve ser motivo de avaliação, principalmente se os pais notarem um aumento gradativo da curva.

Com relação aos pés, é importante saber que a idade de formação do arco (ou cavo) do pé situa-se entre 2 e 5 anos de idade. Portanto, todas as crianças abaixo de dois anos terão algum grau de pé chato. Crianças que se queixam de dor nos pés devem ser sempre avaliadas.

Leia também - Fique atenta com o peso das mochilas escolares

Por Adriana Cocco

Comente