Avós x Netos: uma relação de aprendizado

Avós x Netos uma relação de aprendizado

A relação de avós e netos está mais próxima do que nunca, já que cada vez mais mães optam por deixar seus pequenos aos cuidados de suas mães e sogras. No entanto, essa relação deve ser regrada, para que não haja divergências entre a criação dos pais e mimos excessivos dos mais velhos.

Refletindo sobre sua experiência em consultórios e como avô, o pediatra Dr. Fabio Ancona Lopez e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) escreveu o livro "Avós e Netos - Uma forma especial de amar", uma espécie de manual de convivência.

Ele explica que o crescimento do número de avós que cuidam dos netos acontece em dois casos: com mães jovens que precisam acabar a faculdade ou trabalhar e com as mães executivas, que têm pouco tempo pra cuidar dos filhos e acabam deixando uma parte dessa missão com as avós.

Com o aumento desse fenômeno, é importante estabelecer limites. "Na hora que a avó passa a ser a cuidadora, essa missão dela deve ser combinada com a mãe. É interessante que haja uma conversa pra definir limites", alerta.

"A avó é mais liberal, mas essa liberalidade não deve entrar em choque com conceitos que o pai e a mãe têm, principalmente não deve contrariar condutas. Vemos muito isso, de crianças acima do peso e a gente fala para segurar as guloseimas, mas a mãe diz ‘não adianta, a vó libera tudo’. Isso precisa acertar, a avó não pode liberar guloseima que não está sendo bom pra criança", completa.

Nessa relação, a criança também tem sua parte. "Ao mesmo tempo, ela tem que ter limite. O que não pode fazer com a mãe perto, não pode fazer com a avó, senão fica uma dupla mensagem."

Dr. Ancona revela que, de fato, a tendência é que os avôs sejam mais carinhosos, mas a ideia de que eles dão prazer e os pais dão educação - apenas - é rebatível, já que os avôs podem muito bem dar os dois ao mesmo tempo. Até porque, carinho nunca é demais.

"Cercar de carinho nunca é ruim. O que não pode é o carinho servir como forma de chantagem, do tipo: ‘faz isso porque senão a vovó fica triste’ ou ‘come tudo que senão o vovô fica chateado’. Não pode", atenta ele, que complementa dizendo que a relação avós e netos deve ser uma mão-dupla: "O que acontece muitas vezes é que avós e avôs são distantes, sérios, fechados, sisudos, que não têm tantas relações com o neto. Mas são eles que perdem".

Doçuras e travessuras

Outro ponto importante é a alimentação. "Há 40 anos não existia a grande preocupação com a prática do aleitamento materno exclusivo até o sexto mês. Normalmente, as crianças já almoçavam, jantavam, era algo mais precoce. Hoje sabemos que isso não é bom, pode predispor a obesidade", aponta o pediatra, que também comenta que os tais chazinhos - para cólica, tosse e afins - também estão proibidos.

"É importante que os avôs entendam que as mudanças no cuidado não são modismos pediátricos, é científico."

O médico observa que é no sentido da superalimentação que os avôs devem ficar espertos. "Agradar pela guloseima não é bom, faz com que a criança associe alimentação com carinho, quando são coisas completamente diferentes", atenta.

Por fim, Dr. Alcona dá um recado: "Acho que a coisa importante é: avós aprenderem com os netos. Acho que fica muito essa coisa de ‘avô cuida, cria, alimenta’, mas avô e avó devem estar abertos para aprenderem com os netos".


Ele não diz isso por acaso. O pediatra tem uma neta de 14 anos - que, por um acaso, escreveu a orelha de seu livro. Eles sempre saem juntos para comer e o avô é só elogios para sua pequena.

"Ela tem a cabecinha muito privilegiada e, de vez em quando a gente conversa, sai juntos pra comer, e cada vez que temos contato, ela me ensina coisas muito importantes e interessantes. Ela me ensinou um respeito pelas pessoas no sentido de ‘acho que cada um tem que fazer o que tem na cabeça e responder pelos próprios’. Os adolescentes têm isso do respeito pela individualidade mais presente." Ou seja, "estar aberto para rejuvenescer com os netos".

Por Ana Paula de Araujo (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: filhos crianças criar filhos