As Crianças e o Consumo

Vivemos numa sociedade de consumo e a publicidade nos faz acreditar que “precisamos” adquirir o que, muitas vezes, não precisamos. "Necessidades” são criadas, novos modelos são lançados, e acabamos sendo envolvidos por essa onda de consumo que não cessa. As crianças também são alvo da mídia, e se não repensarmos um pouco nosso estilo de vida, acabaremos criando pequenos consumistas que vão querer cada vez mais.

Este aumento desenfreado do consumo é recente, porém já sabemos que seus efeitos podem ser catastróficos no orçamento familiar, nos nossos hábitos e também no meio-ambiente, que não suporta mais ser devastado e ter ainda que alojar o lixo que é produzido pelo nosso consumo. É por isso que algumas mudanças de hábito tornam-se urgentes, não só para salvar nosso planeta, como também para repensarmos a forma como lidamos com o dinheiro e com o consumo. Quem tem filhos sabe o quanto é difícil em alguns momentos dizer não àquele brinquedo maravilhoso que você também gostaria muito de comprar. São pequenos prazeres que muitas vezes queremos dar aos nossos filhos e a nós. Afinal, trabalhamos para ter conforto e dar bom padrão de vida aos nossos filhos.

Saber dosar o que é para o nosso conforto e de nossos filhos, o que é necessário, e o que são apenas desejos que repetem-se com freqüência, eis aí a questão. É importante que as crianças saibam que dinheiro é fruto de trabalho, e que não jorra de uma fonte inesgotável. O consumo por impulso, valorizando o "ter" mais que o "ser", gera uma sensação de vazio em pouco tempo. E logo vamos querer mais, pois as coisas hoje tendem a ser descartáveis e facilmente substituídas pelo mais novo, pelo último lançamento. Já não há mais apego aos brinquedos que acompanham uma criança durante uma fase, pois tudo é facilmente trocado ou descartado.

Abaixo você vai encontrar dez dicas de especialistas sobre como lidar com dinheiro para quem tem filhos. Estas dicas não tem como objetivo valorizar o dinheiro. Pelo contrário, é uma maneira de tentar educar as crianças e adolescentes a dar o devido valor ao trabalho e o que se consegue com ele.

Comentários e sugestões são muito bem-vindos, e a troca sempre enriquece. Participe!

UM MANUAL PARA EDUCAR AS CRIANÇAS

1. As crianças devem trabalhar, especialmente quando não precisam. É muito freqüente que os pais façam demais por elas, e isso estimula maus hábitos.

2. Não é recomendável que os pais paguem por serviços prestados, em casa, pelos filhos. Eles devem aprender que o trabalho doméstico é uma obrigação, um prazer, um ato de participação na família e na comunidade. O trabalho remunerado fica numa categoria diferente.

3. Os pais devem evitar dar dinheiro picado aos filhos cada vez que eles forem sair ou precisarem comprar alguma coisa. A criança deve aprender desde cedo que dinheiro tem um valor e que não jorra de uma fonte inesgotável.

4. Dar mesada, apenas, é insuficiente. Os pais devem estimular os filhos a fazer uma relação de suas despesas, um cálculo de quanto precisam ganhar, e esse material deve ser submetido a sua aprovação. Depois, então, o valor da mesada deve ser estabelecido e ficará por conta da criança administrar seu dinheiro.

5. Abrir uma caderneta de poupança para a criança é uma forma de ensinar-lhe o princípio da acumulação. Assim como abrir uma conta corrente para o adolescente o obriga a desenvolver o sentido de controle.

6. As crianças devem participar das reuniões familiares sobre o orçamento da casa, e suas idéias sobre despesas devem ser ouvidas. Assim elas aprenderão a pensar de forma responsável.

7. Os pais devem orientar os filhos para analisar seus projetos de compras - de um novo tênis ou um videogame de última geração - sob três aspectos: o preço, o efeito sobre sua poupança e para quem doar o tênis ou o brinquedo que será descartado. Essa é uma importante lição sobre valores: o do dinheiro e o da filantropia.

8. Estudar é uma obrigação. Pais que premiam filhos que não ficam de recuperação ou não repetem o ano estão estimulando a acomodação. Os bons alunos devem ser elogiados.

9. As crianças devem ser encorajadas a buscar as próprias oportunidades de ganhar dinheiro. Podem oferecer-se para passear com o cachorro do vizinho ou montar um espetáculo de mágica para festas infantis. Com isso desenvolverão espírito empreendedor, tão valorizado nos tempos atuais.

10. Hoje, profissão que dá dinheiro é aquela em que a pessoa se sobressai porque gosta do que faz e porque tem habilidades que se destacam. Portanto, a criança deve ser orientada para se desenvolver nas áreas em que demonstra maior interesse e aptidão, seja balé ou espeleologia.

Comente