As consequências da agressão infantil

As conseqüências da agressão infantil

Casos de maus-tratos como o praticado pela procuradora aposentada Vera Lúcia Sant´Anna Gomes, 57, que está sendo investigada por agredir uma menina de dois anos, estão cada vez mais presentes nos noticiários, o que nos deixa muito assustados sobre a questão da violência doméstica no país.

A criança estava sob a guarda da procuradora e adotada em 14 de março. Pouco tempo depois, isso no dia 15 de abril, uma equipe da Vara da Infância, acompanhada de uma juíza, uma promotora e oficial de Justiça, foi à casa da procuradora e encontrou a menina machucada e com os olhos inchados.

Para os pais e pessoas que assistem as notícias sobre o caso, o sentimento é de que se faça justiça, que a mãe adotiva seja punida. Entretanto, a preocupação maior deve ser com o futuro dessa criança, afinal, segundo a psicóloga Regina Elia, a mãe adotiva é que projetou os seus problemas na pequena, agindo com a violência física e psicológica, ao invés de educá-la.

"Alguns traumas da violência doméstica podem fazer com que a criança se culpe por estar sofrendo desse jeito, às vezes, ela pode até se agredir por achar que é a causa destes problemas. Outra conseqüência é a agressão como uma forma de defesa, pois como ela não consegue se defender dos maus-tratos e acaba descontado em outras pessoas, principalmente nos coleguinhas", aponta.

A melhor forma dela se recuperar é recebendo muito carinho e atenção, pois ainda há o fato da pequena ser rejeitada pela mãe biológica. "Ela precisa reinterpretar esse mundo e saber a diferença de fato do bem e do mal, isso é possível através dos contos de fada, por exemplo, que delimitam o que é cada um, afinal, não há herói que é meio bonzinho, não é?".

Regina explica que 50% da formação da personalidade depende do meio em que a criança vive. "Se mesmo as características ruins não fizerem parte da genética dela, um ambiente agressivo é algo determinante para que ela se torne um adulto mais violento", diz. Para que ela não viva também isolada e cresça de forma saudável, o próximo passo é resgate a sua autoestima.

Segundo o Disque Denúncia, que tem ligação direta ao Conselho Tutelar, a violência dentro de casa é o segundo tipo de crime mais denunciado. Os maus tratos físicos podem ser detectados facilmente, principalmente quando há presença de marcas no corpo da criança e dores intensas causadas por alguma lesão.

O contrário acontece em casos de violência emocional, geralmente mudanças de comportamento são indícios de que algo estranho está acontecendo, entretanto, muitas vezes é difícil confirmar a agressão moral porque a criança tem vergonha de comentar o fato. Quando ocorrer algo semelhante com familiares ou pessoas próximas busque ajuda de um especialista e denuncie. O número nacional do Disque Denúncia é 181.


Por ordem da Justiça, a procuradora perdeu a guarda provisória da menina e foi suspenso o pedido de adoção definitiva. A criança foi transferida para um abrigo, que não teve o nome divulgado, onde recebe assistência psicológica.

Por Juliana Lopes

Comente