Aprendendo inglês na infância

Aprendendo inglês na infância

Não é segredo que a infância é a melhor época para aprendermos alguma coisa. Afinal, estamos descobrindo o mundo, ávidos por novos conhecimentos e temos menos resistências ou preconceitos. Por isso, muitas mães e pais têm colocado os filhos em vários cursos mais cedo. Um bom exemplo é o de inglês. Mas será que crianças de todas as idades estão preparadas para absorver uma segunda língua?

Para Marcelo Barros, diretor pedagógico da rede de idiomas CNA, não é bem assim. Ele explica que a melhor idade para uma familiarização com o inglês é próximo dos cinco anos, dependendo da maturidade do pequeno. "O ensino da escrita deve acontecer depois que a criança já está alfabetizada em sua língua materna, por volta dos seis ou sete anos, pois o aprendizado simultâneo de duas línguas diferentes pode deixá-la confusa", afirma.

Há estudos que mostram que pessoas alfabetizadas em dois idiomas têm dificuldades para escrever corretamente. O motivo seria o fato de o cérebro ter armazenado ambas as linguagens numa mesma região, o que não aconteceria se uma das línguas tivesse sido aprendida primeiro.

A estudante de jornalismo Marina Marques foi efetivamente alfabetizada na língua inglesa a partir de seus 12 anos, e conta que o apoio dos pais foi fundamental nesse processo. "Meus pais achavam essencial que eu e meu irmão aprendêssemos outra língua. Além de ser bom no futuro, nos ajudaria com o inglês da escola", declara.

Hoje, aos 19 anos, ela já deu até aulas de inglês numa reconhecida escola e não se arrepende de ter começado a aprender a nova língua quando ainda era criança. "Sempre havia pessoas mais velhas na minha sala, elas tinham muito mais dificuldade que eu. Quanto mais nova a pessoa é, mais fácil aprender outra língua".

De fato, quem aprende inglês na infância amplia a capacidade de raciocínio, de encontrar soluções e tende a ser mais criativo, pois entra em contato com um universo diferente daquele a que está acostumado. "Além disso, esse menino ou menina já cresce sabendo que existem outros códigos além do seu, o que facilita o aprendizado de outras línguas, ajuda na socialização e ensina a lidar melhor com as diferenças", afirma Marcelo.

Um recurso importante para o aprendizado de crianças é a repetição. "Como está numa idade em que testa o mundo, o público infantil precisa de repetição para se convencer de que aquela informação é confiável", salienta o diretor.

O especialista lembra que os pais devem prestar atenção na hora de escolher uma escola de inglês para seus filhos. "Os métodos precisam estar relacionados ao universo infantil. É essencial que eles prefiram aulas mais dinâmicas, com brincadeiras e atividades lúdicas àquelas que exigem muito do aluno", diz.

Para escolher o lugar certo, o melhor é deixar a criança experimentar a escola, assistir a uma aula e dizer se ela gostou ou não.

E o que mais os adultos podem fazer para ajudar seus pequenos a assimilar outro idioma? Não pressionar! Nada de ficar pedindo para o garotinho ou garotinha falar uma palavra em inglês. Deixe que ele ou ela se sinta à vontade para compartilhar isso com você e sua família. Outra ajudinha interessante é, como sugere Marcelo: "Expor o filho a situações em que a nova linguagem aparece, como músicas, filmes e nomes de personagens de desenhos animados".

Para quem ficou animado e pretende matricular o filho numa escola de inglês, aí vai a dica de ouro: deixe a criança ser criança! Ela só terá vantagens em aprender outra língua nessa fase da vida se fizer isso naturalmente.


Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: alfabetização idiomas inglês