Aparelhos falsos causam danos irreversíveis

aparelhos falsos

Foto - Divulgação

Há cerca de quatro anos, as ferramentas falsas de correção começaram a ser usadas como acessórios de moda na Tailândia, China e Indonésia. Só depois de duas mortes na Tailândia é que o governo proibiu o uso do acessório. Segundo as autoridades locais, alguns dos aparelhos apreendidos continham chumbo, um metal perigoso para a saúde que pode causar envenenamento.

O objeto fake e colorido chegou ao Brasil e já virou a nova sensação. Vendidos a preço popular em camelôs, como na famosa rua 25 de março, em São Paulo, os aparelhos falsos são motivo de status. Até páginas no Facebook de clubes foram criadas. No entanto, mal sabem os usuários o mal que estão provocando à saúde.

Segundo o odontólogo Rogério Penna, especialista em Periodontia e Implantodontia, os perigos são os mais variáveis possíveis. "Há inicialmente uma movimentação dentária. Consequentemente vai ocorrendo uma perda de todo o tecido de sustentação do dente, fazendo com que fique sem estrutura e caia. Na gengiva, ocorre um acúmulo excessivo de biofilme dental, a deixando cada vez mais inflamada, gerando várias retrações gengivais, que é a exposição da raiz do dente, formação de tártaro, fratura dentária, mau hálito, entre outros. Na mucosa bucal, podem ocorrer diversas lesões, principalmente relacionada ao uso da cola, que é um produto tóxico".

No caso de doenças, a moda pode originar desde uma gengivite, a uma doença periodontal até Hepatite C, a qual é passada pela saliva.

O especialista ainda conta caso grave de jovem que usou o aparelho: "Há o caso de uma menina que morreu após uma infecção na tireoide por conta de um encaixe mal feito que a levou a uma insuficiência cardíaca fatal".

aparelhos falsos

Embalagem dos produtos vendidos no comércio de rua. Foto - Divulgação.

A imagem acima deixa à mostra os resultados mais comuns da aplicação dos aparelhos falsos. Podemos notar na parte A e B o encurtamento das raízes do dente provocado pela reabsorção radicular. Na parte C, do lado direito da imagem, não é possível observar o recobrimento ósseo do dente. Isso porque ele está fora do osso de suporte, provavelmente deslocado por uma movimentação ortodôntica indesejada.

No caso do Brasil, o próprio vendedor de rua pode aplicar o aparelho no dente do cliente usando até a famosa cola Super Bonder. Esses leigos em ortodontia não possuem especialização alguma ou sequer regulamentação necessária para a instalação correta dos aparelhos dentários, o que pode acarretar mais problemas.

Segundo Hugo Rosi, dentista e sócio-diretor da DVI Radiologia: "Somente os ortodontistas, profissionais especializados na aplicação e manutenção dos aparelhos dentários, possuem a orientação e formação necessárias para aplicar forças na maneira e quantidades corretas para obter a movimentação dentária desejada".

Em 2013, diante da ocorrência de diversos casos de exercício ilegal da odontologia realizado por leigos, o CROSP (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo) se mobiliza para coibir a venda indiscriminada, nas ruas e na internet, de materiais de uso exclusivo da ortodontia, como fios e ligaduras elásticas (borrachinhas).

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e a Polícia Civil estão contribuindo com a causa. A ANVISA com audiência marcada em Brasília para debater formas de extinguir a prática criminosa e a Polícia com a fiscalização.

"Operação Sorriso Colorido"

O CROSP continua em busca de maior rigor nessa questão por meio de outras ações, como a "Operação Sorriso Colorido", lançada em 19 de fevereiro, que disponibiliza canal para denúncias e orientação aos pacientes que desconfiarem de prática ilegal da odontologia no telefone: 0800 700 5572.

Projeto de Lei

Em 18 de fevereiro, o Projeto de Lei de autoria do Deputado Fernando Capez, que determina que a venda dos produtos e instrumentais odontológicos seja somente para profissionais da área, com comprovação de registro no CROSP, foi protocolado. O parlamentar deu encaminhamento à propositura após ser procurado pelo Conselho, que levou a ele denúncias desse problema que se alastra nacionalmente.

Se seus filhos ou jovens de seu conhecimento desejam ter algo colorido nos dentes, basta indicar a consulta de um dentista. Hoje em dia a odontologia está bastante avançada, existindo diversos tipos e estilos de aparelhos, inclusive os coloridos. Assim como Penna destaca: "É importante que todo jovem busque um especialista da área para saber qual é o aparelho mais indicado em seu caso. Nunca fazer o uso por conta própria".

Por Alessandra Vespa (MBPress)

Comente