Adaptação escolar

Adaptação escolar

As férias estão acabando, sinal de volta às aulas. Mas para algumas famílias este ano será o início da atividade escolar dos filhos, momento de adaptação para as crianças e para os pais.

A coordenadora de escola de educação infantil, Ana Paula Teixeira, explica que a entrada na escola é mais fácil ou mais difícil, dependendo das características de cada criança. Algumas estanham o novo ambiente e as novas companhias mais e outras menos.

Mas principalmente quando a criança é muito pequena, com meses e vai entrar na escola quem sofre mais acaba sendo a própria mãe ao ter que deixar o filho. "A mãe se sente culpada por deixar o filho, ainda mais quando a criança chora e sofre com a novidade, mas isso normalmente acontece no começo, até a criança se ambientar."

Ana Paula, que trabalha na educação infantil há 23 anos, explica que cada escola tem uma maneira de promover esta adaptação. "No início a criança não passa a tarde ou manhã toda na escola. Algumas escolas deixam a mãe ficar na escola, em outras áreas, observando a criança sem serem vistas. Já outras deixam a mãe inicialmente junto com o filho. Varia muito de escola para escola."

Ela conta que neste tempo todo em que trabalha em escolar já viu de tudo, de crianças que estranham demais até muitas outras que não tiveram problema algum. "A mãe tem que se preparar para qualquer uma das reações por parte do filho. Mesmo uma criança que ‘vai com todo mundo’ pode estranhar ficar longe da mãe por muito tempo."


Mas a principal dica de Ana Paula vai para os pais, especialmente as mães que acabam sofrendo mais, porque de maneira geral estavam acostumadas a passar mais tempo com os filhos e agora precisam voltar ao trabalho. "Por mais que seja difícil é importante que ela transmita segurança ao filho. Mostre para ele que você vai deixá-lo e depois vai buscá-lo, de modo que a criança não se sinta abandonada. E uma dica legal para ser mais fácil, é não se atrasar na hora de buscar. Quando a criança vai vendo os amiguinhos irem embora, acaba tendo a sensação de abandono."

Por Larissa Alvarez

Comente