5 dicas para ajudar os filhos na recuperação escolar

Filhos em recuperação  o que fazer

Foto: Mike Watson/moodboard/Corbis

O ano letivo está chegando ao fim, mas para muitos alunos que não absorveram todo o conteúdo durante as aulas e, por consequência, estão com notas baixas no boletim, esse não é um momento de muita alegria, já que precisarão ficar mais tempo na escola e refazer os exames. Afinal, como os pais podem ajudar os filhos durante a recuperação?

Segundo o mestre e psicólogo Fernando Elias José, especialista na preparação emocional de estudantes, incentivo é a palavra-chave e os pais devem sempre lembrar disso ao acompanhar os filhos que se encontram em processo de recuperação escolar.

"É importante saber diferenciar ‘incentivo’ de ‘pressão’, para que o estímulo auxilie o estudante e reforce a sua autoestima, em vez de desestimular e estressá-lo mais ainda", ensina o psicólogo.

Esse estímulo deve ser realizado, essencialmente, com muito afeto e diálogo para ajudar a elevar a autoestima do jovem ou da criança, como explica Fernando Elias: "Em primeiro lugar devem-se desmistificar as questões que envolveram a recuperação". Ele afirma que, em muitos casos, pode tratar-se de dificuldades reais desse aluno: "A dica é procurar auxilio profissional para ajudá-lo a superar essa fase.

Outro ponto importante é falar abertamente sobre os fatores que o levaram a ficar em recuperação. "Esse diálogo franco e sem cobranças ajudará a criança ou adolescente a lidar com esse momento com mais naturalidade", informa o especialista.Ser rígido, não deixar sair com os amigos ou até mesmo não permitir o acesso às ferramentas tecnológicas não são formas corretas de fazer com que os filhos estudem mais, pois, de acordo com Elias José, esse tipo de atitude totalmente proibitiva vai somente aumentar o nível de estresse do estudante, já existente em função da recuperação.

O especialista orienta que este é o momento de regrar. "Não proíba totalmente o acesso às mídias sociais, uso do computador, celular etc., mas limite e determine o seu uso para o período em que as horas de estudo já tenham sido cumpridas e as metas diárias de conteúdo atingidas", sugere. O encontro com os amigos também deve acontecer com menor frequência durante o período da recuperação escolar, pois o foco principal deve ser o estudo. "É também importante que não se perca este contato, pois ele auxilia na diminuição do estresse", relata José.

E se o adolescente ou a criança tem apresentado sentimentos como estresse, desinteresse e baixa autoestima estes podem provocar dificuldades na memorização. "Por isso, é fundamental que os pais e aqueles amigos próximos ao estudante o incentivem no processo de estudos com palavras de apoio e otimismo", afirma o psicólogo. Também é fundamental estabelecer uma rotina de estudos em casa. Cabe aos pais oferecer um ambiente calmo, livre de discussões, conversas, sons altos, música, televisão e interrupções. Entretanto, se o estudante tiver dificuldade em estabelecer uma rotina de estudos sozinho, será preciso auxiliá-lo no planejamento.

"Como não existe uma fórmula pronta de estudos que funcione para todos os alunos de igual forma, cada estudante deve desenvolvê-la individualmente, realizando apenas leitura, fazendo resumos, fichas, gravando o conteúdo e depois ouvindo-os entre outros", ressalta. No caso de haver mais de uma matéria em recuperação, deve-se começar o dia de estudos por aquela que se tem maior dificuldade, para depois, quando estiver mais cansado, passar para a matéria que se tenha menor dificuldade.

Fernando ressalta ainda que, mesmo na melhor das intenções, a atitude de pressionar os filhos acaba aumentando a ansiedade em relação à proximidade da prova e à possibilidade de reprovação. "Ao perceberem os pais inseguros com seu desempenho, eles recebem a ideia de que a família não acredita na sua capacidade, o que pode contribuir para o enfraquecimento da sua autoconfiança e autoestima", relatou.

Se seu filho está em recuperação e você quer ajudá-lo, confira as demais dicas de Fernando Elias José:


- No dia a dia converse com seu filho, pergunte se está tudo bem com ele e com sua rotina. Não pergunte o tempo inteiro como estão os estudos;

- Questione-o sobre como poderá ajudá-lo a estudar;

- Estimule-o a estudar mais com palavras positivas e de incentivo. Lembrando-o de que ele tem condições de superar as dificuldades;

- Utilize sua experiência pessoal como forma de auxiliar no crescimento do seu filho;

- Fique atento para não faltar afeto neste momento difícil para o seu filho.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente