Superproteção pode afetar o desenvolvimento das crianças

Esse tipo de atitude tem efeitos avassaladores no cérebro dos filhos
superproteção efeitos

Mimo e cuidado demais pode afetar o desenvolvimento do cérebro da criança. Cuidado! Foto - Istock/SHSPhotography

Pais superprotetores, que não deixam o filho fazer nada sozinho, podem causar danos diretos no desenvolvimento do cérebro dos pequenos – o que pode levar a problemas psicológicos e doenças. Isso é o que mostra um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Gunma, no Japão.


A pesquisa foi realizado com 50 pessoas, todas na casa dos 20 anos. A ideia era relacionar o desenvolvimento do cérebro deles com o relacionamento que os indivíduos mantinham com seus pais até os 16 anos de idade.

Descobriu-se então que aqueles que tinham pais superprotetores também apresentaram menos massa cinzenta em uma área específica do cérebro chamada de cortex pré-frontal. Além disso, os indivíduos que tinham pais negligentes (não as mães) também apresentavam problemas no desenvolvimento dessa parte do cérebro.

Segundo os pesquisadores, essa parte do cortex é desenvolvida justamente na infância e anomalias nessa parte do cérebro são comuns em pessoas com esquizofrenia e outras desordens mentais.

A explicação encontrada pelos pesquisadores para o resultado do estudo é bem simples: as situações de negligência e superproteção expõem a criança de forma excessiva ao hormônio cortisol (do estresse) e inibem a fabricação da dopamina (o hormônio da felicidade), o que prejudica diretamente o desenvolvimento cerebral.

Como saber, então, que você é superprotetora? Se você decide tudo pelo seu filho, faz tudo por ele e não o deixa sair, porque ele ficará longe da sua vista. Esses são apenas alguns sintomas de que você está passando dos limites da preocupação normal que acomete os pais.

pais-superprotetores

Foto - Shutterstock

Como resolver a situação? Tente dar um pouco mais de independência para o pequeno. Vai ter uma excursão com a escola? Deixe-o ir. Assim ele se sentirá mais livre para se aventurar e ter um pouco mais de autonomia. O mesmo quando ele for convidado para uma noite do pijama na casa de um colega.

Dar liberdade, mesmo com limites que cabem à idade, é fazer com que o seu filho aprenda a tomar decisões sozinho, erre e aprenda com os erros. É incentivá-lo a descobrir coisas novas e a lidar com as adversidades. Lembre-se que a superproteção influenciará diretamente no modo como o seu filho irá enfrentar a vida adulta. Sem poder se arriscar enquanto você está por perto, ficará ainda mais difícil quando ele tiver que andar com as próprias pernas.

Por Thamirys Teixeira

Comente

Assuntos relacionados: superproteção Thamirys Teixeira