Sarampo: época de Copa requer cuidados

sarampovacina

Foto - Shutterstock

A Copa do Mundo não significa só gol e festa. Infelizmente em grandes eventos como esse muitas doenças são importadas circulando no ar,entre elas o sarampo. Tanto é verdade que, durante o Mundial, vai existir um centro para reunir dados sobre a circulação de doenças, coordenar o atendimento e cuidar da vigilância sanitária nos pontos de entrada no país.

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, o principal temor é o sarampo. A doença ainda tem grande incidência na Europa, onde o movimento antivacina é forte, na África e Ásia. Apenas nos primeiros meses de 2014, já são mais de cem casos confirmados no Brasil.

O problema é que sarampo é mais grave do que muita gente pensa. É um dos principais responsáveis pela mortalidade infantil em países do Terceiro Mundo. A doença torna-se mais perigosa ainda quando atinge mães em período de amamentação, crianças desnutridas e adultos.

Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção. A vacina tetraviral é indicada para prevenção do sarampo e está disponível nos postos de saúde para crianças a partir de 12 meses de idade. Outra opção é a vacina tríplice viral.

Especialistas orientam para que as pessoas não esperem, procurem um médico assim que os primeiros sintomas aparecerem, embora não exista tratamento específico para o sarampo, apenas para os sintomas.

Os sintomas do sarampo são:

- Pequenas erupções na pele de cor avermelhada;

- Febre alta;

- Dor de cabeça;

- Mal-estar;

- Inflamação das vias respiratórias;

- Catarro;

Todos os relatos de sintomas devem ser avaliados por um profissional de saúde capacitado em fazer o diagnóstico clínico. Em caso de detecção suspeita, o mesmo deverá ser notificado em até 24h à Secretaria de Estado de Saúde.

O médico responsável deverá solicitar a coleta de material (sangue, secreção nasofaríngea e urina) para a realização de diagnóstico laboratorial. Medidas de controle deverão der adotadas. O paciente será orientado a adotar o isolamento social até o desaparecimento do sarampo.


Por Vila Mulher

Comente

Assuntos relacionados: vírus copa sarampo doenças infecciosas