Psicólogo dá dicas para lidar com bullying na escola

Psicoterapeuta Thiago Santos indica atitudes para ajudar os filhos que podem estar passando por essas situações
bullying

Foto: Istock

Situações de bullying acontecem com certa frequência dentro das salas de aula. Os pais, na maioria das vezes, não percebem que seus filhos estão enfrentando este problema. Crianças e adolescentes são alvos frequentes dos colegas de classe, sendo sua aparência um dos principais motivos.

De acordo com o psicoterapeuta Psicoterapeuta Thiago Santos (CRP 06/135695), algumas atitudes dos pais podem melhorar o dia a dia dos filhos que sofrem com bullying e evitar as agressões. Entenda:

Bullying é só brincadeira?

É importante frisar que não são simples brincadeiras, mas atos maldosos que podem ter consequências bastante sérias. São atos de violência física, tais como empurrões e socos, ou psicológica, tais como xingamentos e ameaças e que acontecem repetidas vezes. O termo bullying deriva do inglês “bully”, que significa valentão, e se dá numa relação desigual de poder, em que um indivíduo mais velho ou mais forte, sozinho ou em grupo, ataca alguém mais fraco ou menor. 

Sinais do bullying

O comportamento do seu filho tem se modificado muito nos últimos tempos? Ele tem se mostrado quieto ou irritado demais? De repente passou a se recusar a frequentar a escola, pedindo para faltar ou ser transferido? Quem são os colegas do seu filho na escola e como acontecem as relações entre eles? Essas são algumas questões que, em muitos casos, podem sinalizar a ocorrência de bullying. 

Aproximar os filhos é a chave

Crie um espaço aberto ao diálogo, em que a criança se sinta à vontade para falar sobre o que está lhe acontecendo. Procure mostrar-se sempre disponível a escutá-la sem julgamentos ou brigas. A criança precisa perceber que tem em casa, nos pais, seu maior ponto de apoio, e saber que não será acusada ou pressionada. Crie o hábito de constantemente perguntar sobre o dia na escola, sobre amigos e vivências – estabeleça uma ponte com seu filho, mostrando-lhe sempre que não está sozinho!

Não menospreze o sofrimento da criança

bullying

Foto: Istock

Cada um percebe a realidade de uma maneira diferente. Uma mesma situação pode ser vivida com grande sofrimento por alguns, e de modo tranquilo por outros. Procure exercitar a empatia, colocando-se no lugar da criança, tentando ver o mundo com seus olhos. Não menospreze as situações que relata, diminuindo-as, mas ouça tudo com atenção tentando encontrar, juntamente com ela, formas de compreensão e superação. 

Fortaleça a autoconfiança da criança

As crianças vítimas do Bullying, em geral, são mais inseguras e confiam pouco em si mesmas. À medida que passam por essa desagradável experiência, a tendência é que se tornem ainda mais frágeis e retraídas. Desde os mais tenros anos de idade, os meninos e meninas devem aprender a reconhecer suas próprias qualidades e a confiar nas suas capacidades. Elogie constantemente e reconheça os bons feitos, mesmo que pequenos. Demonstre sempre o quanto a ama e o quanto ela tem valor! É importante que a criança saiba que todas as pessoas têm aspectos positivos e aspectos a serem desenvolvidos. Quando tiver de corrigir, faça de maneira assertiva, em particular, sem utilizar palavras ofensivas ou rótulos. 

Conheça o clima escolar

Entre em contato com a escola, converse com os professores e gestores escolares a fim de verificar como é o clima escolar e como são as relações no dia-a-dia da escola. Saiba como é o comportamento do seu filho e dos seus colegas. Faça-se presente e busque ajuda. Profissionais como psicólogos e pedagogos são especialmente preparados para lidar com essas questões.  

Serviço:

Psicoterapeuta Thiago Santos

Facebook: ThiagoSanPsi

Telefone: (13)98846-3499

Endereço do consultório: Rua Dr. Luís de Farias, 52, cj. 21 - Gonzaga - Santos/SP

Por Thamirys Teixeira

Comente