Menina de 2 anos enfrenta vendedora e escolhe boneca negra

A menininha não entendeu porque a boneca era "tão diferente" dela. "Eu sou uma menina bonita, e ela é uma menina bonita", disse.
menina boneca negra

Foto:Reprodução-facebook-brandileilan

No VilaMulher nós já comentamos sobre a importância dos brinquedos infantis serem feitos pensando na diversidade racial. É preciso que as crianças aprendam a respeitar e entender as diferenças desde cedo, para que sejam adultos livres de preconceitos e de muito mais empatia.


Crianças chegam ao mundo sem maldade nos pensamentos e sem racismo ou discriminação. Prova disso foi a lição de respeito que uma menina de dois anos deu a uma vendedora, que tentou convencê-la de não ter uma boneca negra.

Sophia Benner, da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, já assimilou melhor do que muitos adultos qual o papel da representatividade na construção de sua identidade. Ela mostrou que o conceito vai muito além de simplesmente escolher bonecas que se pareçam com ela, mas sim respeitar, reconhecer e empatizar com a diversidade.

Ao entrar em uma loja de brinquedos com os pais - Brandi e Nick Benner -, para escolher uma boneca, a menina soube muito bem explicar porque queria uma que fosse "diferente". A pequena tem a pele clara e os cabelos loiros, e escolheu uma boneca negra e de cabelos escuros, contrariando as orientações da vendedora.

"Tem certeza que é essa que você quer, querida? Temos muitas outras que se parecem mais com você", disse a lojista.

Sophia, então, deu à vendedora uma aula sobre assimilação do outro, mostrando que reflexões como esta podem, sim, fazer parte dos interesses da criança.

"Sim, ela se parece comigo. Ela é uma médica, como eu sou uma médica. Eu sou uma menina bonita, e ela é uma menina bonita. Você vê o cabelo bonito dela? E o estetoscópio dela?", respondeu Sophia.

menina boneca negra

Foto:Reprodução-facebook-brandileilan

A mãe, Brandi, compartilhou a reação da menina no Facebook na última sexta-feira, 31 de março. Até o momento, o relato já ultrapassa os 180 mil compartilhamentos, e conta com mais de 470 mil curtidas.

O post viralizou e ganhou o coração dos internautas. "Eu nunca pensei que pudesse atingir tantas pessoas, era para ser um post somente para minha família e amigos", contou a mãe, surpresa, na publicação seguinte.

A postura da pequena não só demonstrou que diversidade importa, sim, na hora de escolher os brinquedos, como também convenceu a vendedora sobre a importância de combater os padrões de beleza.

"Essa experiência só confirmou a minha crença de que não nascemos com a ideia de que a cor da pele importa. A pele vem em diferentes cores, como o cabelo e os olhos, e cada tom tem a sua beleza", concluiu a mãe na publicação. "Eu só quero ensinar amor a ela, e isso inclui as minhas próprias ações", disse.

*Com informações de CNN e Catraca Livre

Comente