Ferimentos em crianças exigem cuidados especiais

Cortes e queimaduras leves são alguns dos ferimentos mais comuns
ferimentos-crianças

Foto - Shutterstock

Durante o período de férias, as crianças ficam mais em casa, saem, brincam e infelizmente têm mais chances de se machucar. Segundo o enfermeiro especializado em ferimentos da Membracel, Antonio Rangel, o importante é que pais e responsáveis saibam como agir no momento do acidente, para minimizar as consequências. 

O primeiro passo é analisar a gravidade e o tipo de ferimento. “Se for um corte os pais devem avaliar a profundidade, se atingiu a epiderme e a derme, nesses casos ocorre muito sangramento e ‘sai‘ a pele. Para estancar o sangramento é necessário fazer a compressão com um pano limpo. Em casos mais graves, a recomendação é buscar um serviço de saúde”, orienta.

Já para os casos mais leves, como as escoriações, que são os chamados “ralados” e os pequenos cortes, o primeiro passo é realizar a higiene, com água corrente e sabão neutro, das mãos da pessoa que irá fazer o curativo. Depois, é necessário realizar a limpeza e assepsia do machucado, também utilizando água limpa e sabão.

 “É importante que os pais façam essa limpeza mesmo que a criança não queira e reclame. Isso ajuda a diminuir consideravelmente o risco de infecção, que pode ocorrer devido ao grande número de corpos estranhos presentes neste tipo de ferimento.”

Após a limpeza, é necessário que ele seja coberto por um curativo, que irá  ajudar a evitar o ressecamento e diminuir o risco de contaminação. Alguns sintomas podem indicar a infecção: vermelhidão, o aumento da temperatura ao redor do ferimento e, em alguns casos, a existência de exsudado purulento (líquido da ferida).

Em casos de queimaduras, é preciso primeiro identificar a gravidade. As de 1º grau são  queimaduras leves, nas quais ocorre uma vermelhidão no local, seguida de inchaço e dor variável. Já nas de 2º grau há destruição maior da epiderme e derme, com dor mais intensa.  

Assim que o acidente ocorre e se a queimadura for de 1º ou 2º grau, é indicado colocar a parte atingida debaixo de água corrente fria por aproximadamente dez minutos ou fazer compressas úmidas e frias. 

Procurar orientação médica é a recomendação mais importante. O tratamento adequado pode ajudar a acelerar a regeneração da pele e minimizar as consequências, deixando cicatrizes menos aparentes.


Por Vila Mulher

Comente

Assuntos relacionados: crianças ferimentos