Verão sem brotoejas

Verão sem brotoejas

A temporada de férias está chegando e claro, traz na mochila o calor do verão. E apesar de ser a estação mais divertida, o verão esconde doenças típicas de pele, como as brotoejas, especialmente nos bebês.

As bolinhas, que podem ser branquinhas ou avermelhadas, dão dor de cabeça a muitas mães, principalmente em períodos mais quentes. "A brotoeja ou miliária é uma desordem das glândulas do suor. É causada pelo bloqueio dessas glândulas, que leva o suor a ficar preso na epiderme ou na derme", explica o Clóvis Gomes, chefe da Disciplina de Especialidades Pediátricas da Universidade Federal de São Paulo.

"Existem três tipos de miliária, classificadas conforme o nível de obstrução da glândula sudorípara: cristalina, rubra e profunda", completa. A cristalina é superficial, podendo ser identificada por vesículas claras e frágeis. Esse é o tipo mais comum em adultos que vivem em locais quentes e úmidos, e nos recém nascidos menores de duas semanas.

A brotoeja rubra é resultado de uma obstrução mais profunda, apresentando papulas (vesículas) avermelhadas e coceira. Costuma afetar recém-nascidos de uma a três semanas. "Geralmente ela aparece logo após a exposição ao calor, mas pode aparecer meses depois", alerta Clóvis, que também é professor assistente do Departamento de Pediatria da Unifesp. Quem sofre com vários episódios de brotoeja rubra pode desenvolver o estágio mais grave, a miliária profunda, que ocasiona papulas amareladas na pele.

Apesar da explicação um pouco complexa, o tratamento é mais simples. Deve ser feito somente no local afetado, com aplicação de calamina (ação adstringente), acido bórico (ação anti-séptica), compressas de água fria e corticóide tópico. Durante esse tratamento, é essencial "evitar o uso de substâncias que impeçam ou atrapalhem a transpiração da pele", diz o professor.

Como prevenir é sempre melhor que remediar, ele dá dicas para ficar longe das brotoejas. "O tratamento preventivo consiste em manter o conforto térmico e um ambiente refrescante", afirma o médico. "Deve-se evitar o uso de roupas que abafam ou machucam a pele, impedindo a evaporação do suor, assim como a permanência em ambientes quentes, úmidos e fechados".


Esses cuidados precisam ser redobrados quando alguém vai à praia, principalmente os recém nascidos, já que, como conta Clóvis, o calor excessivo, roupas quentes e locais úmidos provocam mais suor. Então, mantenha seu bebê em lugares arejados, deixe-o só de frauda quando possível e cuide para que ele fique sequinho neste verão. Se mesmo assim as bolotinhas aparecerem, não se desespere. Isso é comum. Se forem das mais claras - as cristalinas -, basta esperar alguns dias e elas tendem a desaparecer. E, se piorar, não hesite em consultar seu médico ou o pediatra do seu filho para a indicação do tratamento adequado.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente