Teste em recém-nascidos detecta problemas cardíacos

Teste em recém-nascidos detecta problemas cardíaco

Um teste simples no recém-nascido é capaz de identificar problemas cardíacos congênitos. Estudos reforçam a importância do teste chamado de oximetria. O exame faz o diagnóstico precoce de doenças no coração do bebê.

A oximetria de pulso é feita na nas primeiras 24 horas de vida. O teste é capaz de detectar doenças cardíacas congênitas, não provoca dor e é eficiente para salvar a vida de muitos bebês. Algumas doenças do coração requerem intervenção o mais cedo possível. O teste não detecta todas as doenças cardíacas, apenas as mais graves.

Estudo realizado na Universidade de Birmingham e Birmingham Women´s Hospital, no Reino Unido, confirmou a importância do exame. Os cientistas de Birmingham, publicaram a pesquisa no jornal científico Lancet, na qual foram usados como parâmetro 20.000 bebês aparentemente saudáveis de seis maternidades no Reino Unido, todos foram examinados por meio de um oxímetro de pulso para medir os níveis de oxigênio no sangue, e os que acusavam níveis mais baixos após o nascimento tinham mais risco de problemas no coração. O resultado apontou 195 bebês com resultado anormal no teste, destes, 26 apresentaram importantes problemas cardíacos congênitos e 46 outros problemas que precisavam de tratamentos urgentes.

Um artigo publicado no Pediatrics, periódico da Sociedade Americana de Pediatria, reforçou a importância do mesmo exame. No Brasil, alguns hospitais já são adeptos ao teste, mas ainda não é uma prática comum apesar do baixo custo.


No Hospital e Maternidade São Luiz (SP) a oximetria para rastreio de doenças cardíacas é aplicada em todos os recém-nascidos. O bebê passa pela análise a partir de 12 horas de vida. Quando o índice de oxigênio fica abaixo de 95% indica-se um ecocardiograma para confirmar se existe cardiopatia congênita.

Por Catharina Apolinário

Comente