Manias de vó ajudam ou atrapalham?

manias de avó

Foto - Tracy Kahn/Corbis.

Até o 6º mês de vida, a dieta ideal e fundamental para o bebê é o aleitamento materno exclusivo - fonte completa de nutrientes que desempenha papel protetor de doenças comuns na infância. Depois desse período, a coisa muda. O pequeno começa a receber alimentação complementar e já se habituar ao cardápio da família. É aí que as avós entram com tudo, querendo levar a tradição de gerações ao neto. Será que essa intervenção é válida?

Segundo o endocrinologista e nutrologista pediátrico Delmir Rodrigues, coordenador Clínico da União Pediátrica Anchieta, devemos ter as avós como aliadas nos cuidados da criança. No entanto, é importante desmistificar algumas crenças e mitos vencidos. "Exemplo clássico é o de que o leite materno é fraco e que se deve ofertar leite integral ao lactente de forma precoce. Sempre explico que antigamente os índices de mortalidade infantil eram altíssimos devido ao fato das crianças não amamentarem adequadamente".

"Ah, mas ele está muito magrinho!"

Antigamente, bebê saudável era considerado bebê gordo. Mas, como lembra o especialista, "hoje vivemos uma pandemia de obesidade infantil, justamente devido o excesso de calorias ofertadas precocemente às crianças, aliada ao sedentarismo e falta de estímulo familiar, com dietas incorretas e ricas em calorias".

Muitas vezes quando colocado em gráficos específicos, o peso de bebês considerados "magros demais" está dentro do padrão de normalidade.

Tanto que a ideia de que bebês gordinhos têm menos chances e riscos de pegar doenças é mito. "Nem sempre bebê gordinho significa que está bem nutrido. Muitos bebês estão acima do peso, porém com deficiência de vitaminas e minerais", explica a professora Fernanda Ferreira Corrêa, docente do curso de Nutrição da Universidade Anhembi Morumbi.

Ajuda da avó pode ser bem-vinda, sim!

A professora detalha que durante a gestação, a boa alimentação da mamãe é fundamental para a saúde do bebê. E com isso, nada melhor do que a mãe e a sogra da gestante para ajudar em uma dieta saudável. "A grávida deve ingerir as quantidades necessárias de todos os nutrientes e sempre se manter hidratada, pois qualquer deficiência que ela possa vir a ter poderá prejudicar o bebê."

Já nas papinhas dos bebês, uma boa receitinha de avó seria priorizar a alimentação caseira, como antigamente. "As avós são craques em evitar alimentos industrializados, que têm alta concentração de sódio, gordura, açúcar e aditivos. O bebê está formando o hábito alimentar dele, portanto, é fundamental sempre oferecer alimentos saudáveis e nutritivos. Essa é a garantia que se tem para que o bebê se transforme em um adulto saudável, com bons hábitos e com menor risco de ser obeso", afirma Fernanda.

Por fim, nada melhor do que a lembrança da boa e velha "comidinha da vovó", que faz parte da infância de muitos de nós.

"As avós são de uma geração com excelentes cozinheiras. Desde que não tenha muitos excessos, boa quantidade de sal e nutrientes bem distribuídos, suas receitas são sempre bem-vindas", finaliza o pediatra.


Por Alessandra Vespa (MBPress)

Comente