Mais segurança nas maternidades

Mais segurança nas maternidades

É cada vez mais assustador o número de crianças que são seqüestradas logo após o seu nascimento na maternidade. Em muitos casos, mulheres se fazem passar por enfermeiras e saem com uma criança sem grandes problemas dos hospitais. No início deste mês, dia 07 de setembro, uma mãe de Mato Grosso do Sul teve sua filha roubada enquanto dormia ao lado dela. A polícia prendeu a mulher que raptou o bebê quando ela tentava registrar a menina.

Mas felizmente parece que casos como esse serão mais difíceis daqui para frente, pelo menos possivelmente em São Paulo. Está em votação um projeto de lei que torna obrigatório o uso de uma pulseira com sensor sonoro em todos os recém-nascidos nas maternidades públicas. Ela deverá ser colocada logo após o parto e na saída da criança do hospital, isso na presença da mãe ou responsável. Uma forma de trazer mais segurança aos pais e bebês e evitar não só seqüestros, mas também trocas.

O projeto se estende também às maternidades privadas. Em algumas delas, como as do Grupo Santa Joana (Hospital e Maternidade Santa Joana e Maternidade Pro Matre Paulista), já funciona um sistema de segurança para este fim que inclui duas pulseiras de identificação na entrada das mães na maternidade. Assim que o bebê nasce, ele recebe três pulseiras idênticas às da mãe; uma em cada braço e outra em uma das pernas. Em todas elas há um código de barras com informações como nome da mãe e do médico responsável, entre outras.

Mais segurança nas maternidades

Monitores para o acompanhamento dos bebês no quarto da mãe. Foto-Divulgação Maternidade Santa Joana

A leitura desse código é feita através de Palm Tops, operados pelos profissionais de enfermagem das maternidades. A cada visita do bebê ao quarto da mãe, as pulseiras de ambos são conferidas, por segurança. Além disto, antes de entrar no quarto, os profissionais também fazem a leitura da etiqueta afixada na porta, que deve ter código de barras idêntico aos das referidas pulseiras. E dentro dos quartos, as mães podem acompanhar os bebês nos berçários através de um monitor. Conforme informações da assessoria de imprensa das maternidades, a instituição aguarda a tramitação do projeto e ressalta que passará a cumpri-lo caso entre em vigor.

Mais segurança nas maternidades

Pulseirinha da distribuidora brasileira TransWireless usada em maternidades dos EUA

Em hospitais norte-americanos, como o Florida Hospital (Orlando - FL) e o St. Joseph’s Hospital Health Center (NY), já é usada uma pulseirinha e sensor sonoro.


Distribuída pela empresa brasileira TransWireless, o aparelinho permite o monitoramento completo de cada paciente, com relatórios sobre o diagnóstico e quadro clínico, além do tratamento dispensado e o histórico com os locais de circulação.

Por Juliana Lopes

Comente