Mãe assume duas crianças após troca de bebês na maternidade

mãe assume duas crianças

Rita e os filhos Giuliano e Vitor Hugo - foto: reprodução

O que poderia ter sido um grande transtorno na vida da dona de casa Rita Ribeiro da Silva, de 37 anos, se tornou uma dupla felicidade. Seu bebê foi trocado na maternidade em 2004, em hospital de Votorantim, na região de Sorocaba. Rita percebeu que seu bebê Giuliano não tinha os traços da família. “Sou negra e o bebê era branquinho, de olhinhos claros. Aí o meu marido, também escuro, veio me acusando, dizendo que eu o tinha traído. Ele até saiu de casa”, contou à imprensa.

Rita retornou ao hospital apurar a possível troca de bebês, e depois de muita insistência da parte dela, logo descobriram que seu filho podia ter sido levado por um casal da cidade vizinha, já que a mulher dera à luz em horário semelhante na mesma maternidade.


Exames de DNA confirmaram que Vitor Hugo, a criança que estava com a outra mãe, era o filho biológico de Rita.

Nesses casos, o Ministério Público determina que, no processo de destroca dos bebês, as duas mães convivam na mesma residência com os filhos durante duas semanas. Mas Rita percebeu que a outra mãe não tinha amor pelo filho biológico.

“Quando recebi o Vitor Hugo de volta, ele estava com sarna e piolhos. Eu estava amamentando o Giuliano e passei a amamentar também o Vitor Hugo. Quando a outra mãe levou o Giuliano embora, fiquei com aperto no coração”, contou. Algum tempo depois ela retornou, admitindo que não teria condições de cuidar do filho biológico.

Ao ver que a mãe da outra criança recusava o próprio filho, Rita lutou na Justiça até conseguir autorização judicial para ficar com as duas crianças. Agora, a Justiça acaba de reconhecer que a “mãe em dobro” tem direito a uma indenização pelo drama que viveu.

O advogado que passou a cuidar do caso, José Roberto Galvão Certo , disse que as duas famílias são muito pobres, mas Rita tem um instinto maternal que a diferencia. Tanto que, passados passados 11 anos, Giuliano também não queria viver com a mãe biológica, preferindo ficar com Rita. A Justiça, então, não teve dúvida em autorizar a adoção do Giuliano para Rita, que passou a ser a mãe de direito das duas crianças. Um final feliz para essas crianças e para essa mãe cheia de amor!

Por Jessica Moraes

Comente

Assuntos relacionados: histórias de vida