Fraldário no banheiro masculino? Sim!

Fraldário no banheiro masculino Sim

Foto: Monalyn Gracia/Corbis

Não dá mais para ficar espantado ou fazer pouco caso ao ver um homem trocando a fralda de um bebê. Os pais estão cada vez mais participativos na educação e criação das crianças e querem dividir com a parceira momentos que antes eram "destinados" somente às mães.

Essas mudanças são bem bacanas, porque mostram que não é só a mulher que luta constantemente por igualdade. Os homens têm, sim, capacidade suficiente para dar banho, comida e trocar fraldas do próprio filho e não querem mais achar que é normal o fraldário ficar restrito ao banheiro feminino e nem passar pelo constrangimento de ter que tirar a fralda suja do filho no banco traseiro do carro ou no chão.

Que bom que as preces desses homens foram ouvidas! Muitos lugares aqui no Brasil já disponibilizam um espaço especial para pais e mães cuidarem dos seus bebês mais à vontade. Um deles é a Leroy Merlin.

"Trata-se de um espaço para pais e mães com crianças pequenas. O local possui trocador, poltronas, pia e micro-ondas. Foi criado para as mamães poderem amamentar seus bebês num local mais adaptado ou, no casos dos papais, de aquecer a mamadeira e trocar a fralda de seus bebês", explica Daniela Bollina, Gerente de Merchandising da Matriz Leroy Merlin que participou do projeto.

Daniela acredita que, em nossa sociedade, cada vez mais os homens dividem com as mulheres não somente os trabalhos domésticos, mas os cuidados, acompanhamento e participação da vida dos filhos. "Observamos muitos pais em nossas lojas acompanhados de crianças pequenas, sem a presença das mães", explica.

O espaço pode ser encontrado nas lojas de Sorocaba, Londrina, São Leopoldo, Atuba (Curitiba), São José do Rio Preto, Belo Horizonte (Norte), Interlagos e Tietê.

Outro estabelecimento que tirou o fraldário do banheiro feminino e criou um lugar exclusivo para ele foi a Cidade da Criança, localizada em São Bernardo do Campo, Grande São Paulo.

O promotor de eventos Wagner Luis Correa Toledo conta que, antigamente, o fraldário ficava no banheiro feminino. Era um espaço muito pequeno e intimidava os pais que iam ao parque sozinhos com seus filhos e precisavam trocar a fralda deles.

"Com a reforma, o fraldário foi instalado num lugar neutro, longe dos sanitários e ao lado da enfermaria. Percebo que agora os pais se sentem mais à vontade para frequentar o local", comenta. Bem mais amplo, o local é divido em duas salas. Na primeira há cadeiras para a mãe se sentar e amamentar o bebê ou colocá-lo para dormir. No espaço seguinte fica o trocador e, ao fundo, o banheiro.


Wagner acredita que há lugares onde o fraldário fica ao lado ou de frente para o banheiro feminino, e acaba intimidando os pais a se dirigirem ao local. Até a decoração, em certos casos, valoriza a figura feminina. "É preciso haver uma mudança de mentalidade. Eu acho que na Cidade da Criança a gente conseguiu quebrar essa barreira ao afastarmos o fraldário dos sanitários e fazermos uma decoração com bichinhos, sem puxar para o lado materno", conta.

Juliana Falcão (MBPress)

Comente