Dicas para amamentar melhor

Dicas para amamentar melhor

Pediatra Luciana Herrero ajuda mãe. Foto: divulgação

Poder amamentar seu bebê é um dos primeiros desejos de uma gestante. E o momento de maior intimidade entre mãe e filho, infelizmente, não é natural para muitas mulheres. E as dificuldades em amamentar podem trazer traumas e até depressão.

Falta de apoio, profissional ou familiar, pode fazer do aleitamento materno uma tragédia. Outro fator que pode atrapalhar é a falta de preparo da mamãe. Muitas não aprendem, antes do bebê nascer, qual a posição adequada para a criança receber o alimento, por exemplo. "O bebê pode ser aconchegado ao seio materno, nas mais variadas posturas, desde que a sua barriga fique em contato com a barriga da mãe e que esta se sinta confortável", ensina a pediatra Luciana Herrero, fundadora da Aninhare - Atitudes do Criar.

As mães devem escolher com cuidado a local para a alimentação do recém-nascido, que deve ser tranquilo, confortável e, principalmente, privativo, sem interferência de amigos ou familiares. "É essencial que mãe e bebê se conheçam, se conectem um com o outro, pois esta é a única forma de possibilitar uma amamentação integral, onde a nutrição seja física, psíquica, mental e espiritual, e não apenas a oferta de leite humano, sem o valor do afeto", explica Luciana, que também é consultora da Pastoral da Criança.

Algumas crianças recusam o peito da mãe muito cedo. Isto pode ocorrer por conta desde um posicionamento equivocado do bebê até questões emocionais, além de um contato precoce com mamadeiras ou chupetas. Até os seis meses de vida, tudo o que a criança precisa para se alimentar é de leite materno. Oferecer algo diferente disso por dificultar a amamentação.

O momento mágico da amamentação também pode significar sofrimento para algumas mamães. Para evitar fissuras no peito, por exemplo, Luciana recomenda que a mãe estimule o filho a abrir bastante a boca, antes de deixá-lo pegar o mamilo. "A mãe pode facilitar a abertura da boca do bebê ao tocar com seu dedo, ou com o bico do seio, o lábio inferior do bebê. Apenas na presença de um "bocão" é que a mãe deve oferecer o seio ao pequeno" ensina a pediatra.

Fissuras não são motivos para suspender a amamentação, caso elas ocorram. Mudar a posição para alimentar a criança diminuirá a dor e banho de sol ajudará na cicatrização. Mama pedrada, muito cheia de leite, também é comum nos primeiros dias. Isto se dá por que o organismo da mulher produz mais leite do que a criança necessitará. Este efeito também pode provocar as rachaduras nos seios, pois o bebê não consegue abocanhar todo o mamilo.

Para resolver isso, Luciana dá uma dica muito simples. "O ingurgitamento [mamas pedradas] deve ser controlado através do esvaziamento das mamas, com a utilização de bombas de ordenha".

Quando há esse excesso de leite, a consultora sugere a doação de leite materno. "O ingurgitamento possibilita a concretização de um ato de amor. Através da doação de leite, chamado pelos especialistas de ‘sangue branco’, milhares de bebês internados em UTI neonatais, que lutam entre a vida e a morte, tem a possibilidade de receber o melhor medicamento do mundo e de recuperar-se plenamente".

Para as mamães que não produzem tanto leite, há dicas da consultora que poderão ajudar: "Ofereça o seio ao bebê em livre demanda, sem restrições de horário. Caso tenha que se distanciar do filhote, realize ordenha nas mamas, em intervalo máximo de três horas".

Para estimular ainda mais as mamas, existe ainda no mercado uma sonda, chamada de SNS. Ela é composta por um potinho, onde se deposita o leite artificial ou de outra recém-mamãe, ligado a uma sonda. Esta deve ser presa próxima ao seio e colocada, junto com o mamilo, na boca da criança. Ao fazer movimentos de sucção, o baby estimulará o seio da mamãe. Esta sonda pode ser usada até que uma produção suficiente aconteça naturalmente, o que leva no mínimo uma semana.

O mais importante é lembrar que nenhum leite substitui o materno. Cientistas ainda não conseguiram criar um alimento que seja tão nutritivo. "O leite humano não é só o leite mais completo em termos de necessidades nutricionais, é também uma substância viva, que varia de composição segundo as necessidades específicas de cada bebê", pondera Luciana. "No caso do bebê que nasceu prematuro, o leite materno produzido pelas mamas de sua mãe apresenta composição especial, com maior valor protéico, comparado com leite de bebê que nasceu no tempo certo".

Algumas sugestões de como preparar o seio para amamentação

- A partir do 5º mês de gestação, aperte em baixo da aréola para sair um pouco da secreção que você já estará produzindo neste período. Deixe secar esse líquido em volta da aréola e bico, pois assim a pele da região fica mais forte para amamentar, evitando rachaduras;

- Lave as mamas apenas com água, evitando sabonetes. Não use cremes óleos, pastas, etc.;

- Friccione um tecido felpudo e macio (vale toalha de banho) nos bicos das mamas, deixando-os expostos ao ar durante alguns minutos para deixar a pele mais resistente. Vale usar esponja vegetal no banho;

- Faça movimentos rotativos (de girar) no bico, usando os dedos polegar e indicador. Você pode também aproximar esses mesmos dedos do bico da mama e afastá-los em direção contrária;


- Opte por sutiãs de algodão: são mais higiênicos e deixam a região mais ventilada;

- Conchas de amamentação ajudam a estimular o bico durante a gravidez;

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente