Vendas diretas, por Álvaro Modernell

As vendas diretas se apresentam como excelente alternativa para elevar a renda da família. É o tipo de atividade que pode ser conciliada com a rotina do dia-a-dia. A pessoa pode aproveitar sua rede de contatos, o tempo livre, o horário noturno e as facilidades da Internet para isso.

É importante ser seletivo com os produtos que pretende representar. Marcas e redes consolidadas facilitam as vendas, mas a concorrência é maior. Novos produtos e marcas são mais difíceis de vender, mas podem representar oportunidades de ganho maiores, no médio e longo prazo.

Uma dica quente para quem já está no ramo e quer potencializar os ganhos é buscar representação de diferentes produtos. Em uma única visita pode-se fechar vários negócios. Às vezes suas clientes não estão precisando de cosméticos, mas podem se interessar em livros infantis, bijuterias, roupas, entre outros.

Essa tática é boa também porque cada rede de vendas apresenta técnicas e estratégias próprias que podem ser aproveitadas para outras. Além disso, vendedoras que representam várias marcas e redes sempre têm algum tipo de promoção ou brinde que ajudam na abordagem dos clientes. Se houver diferentes alternativas, a vendedora além de correr menos riscos de ser inconveniente, ainda pode transformar-se numa boa alternativa de fornecedora para suas clientes.

É preciso ficar atento para não vender mais do que as clientes possam comprar. Não se deve matar a galinha dos ovos de ouro. Clientes satisfeitos compram sempre e ajudam a manter o fluxo das vendas. Além disso, cuidado com os riscos de inadimplência. É melhor deixar de vender do que vender e não receber. Analise bem com quem ficará o prejuízo no caso de algum calote.

Esse tipo de venda geralmente proporciona maiores margens à medida que os pedidos aumentam. Os primeiros meses são os mais difíceis, até pelo aprendizado. Quando a clientela estiver formada e houver informações suficientes sobre os produtos mais solicitados, vale pensar em alternativas como fazer compras antecipadas e concentradas para obter maiores descontos e pontuação.

Importante também formar uma rede de vendedoras ligadas a você. Com isso cria-se um dos principais fundamentos da independência financeira, a renda passiva. Dinheiro que chega a você sem depender do seu esforço direto. Isso não significa que “suas” vendedoras devam ficar desamparadas. Quanto mais elas venderem, mais você ganha.

Outro aspecto importante, sob a ótica da educação financeira, é o que fazer com o dinheiro. Se essa for à fonte principal de receita, significa que a pessoa não tem estabilidade de receitas. Então, é fundamental constituir uma reserva financeira, que servirá tanto par alavancar o negócio em eventual oportunidade, quanto para garantir algum período de queda nas receitas.

Se essa renda for complementar, significa que existe outra fonte de receitas na família. A família deve, então, procurar adaptar seu padrão de gastos limitado ao outro rendimento. Os ganhos advindos dessa renda extra devem ser divididos em dois grupos: um voltado para o prazer imediato. Algo que recompense o esforço extraordinário e dê sentido motivador.

Outro, com visão de longo prazo. Uma parte significativa desses ganhos deve ser direcionada para investimentos com visão de longo prazo, como a compra de imóveis, um fundo de previdência, uma carteira de ações, etc.

Álvaro Modernell é palestrante e autor de livros para Educação Financeira, Desenvolve projetos e trabalhos de educação financeira para instituições, além de escrever e colaborar para edições institucionais e informativos empresariais. Também mantém o site Educação Financeira.

Comente