Tire a pobreza de dentro de você!

Ah, esta frase incomodou? Que bom. Excelente sinal! É o primeiro passo para a cura.

Foto: Reprodução/© YekoPhotoStudio

Muita gente já leu, se informou, buscou referências em como fazer para ter melhor controle financeiro, comprou programas de controle de gastos, fez curso de empreendedorismo, pesquisou franquias, guardou parte do salário, criou negócios paralelos ao trabalho MAS continuou convivendo com dívidas, atrasos nos pagamentos, pagamentos sempre com juros, raiva dos credores, queixas sobre dinheiro e por aí vai. Isso tudo explica perfeitamente que sim, há um comportamento interno, introjetado, profundo de pobreza na pessoa.


Comprar somente o que é mais barato, mesmo tendo condição de comprar algo melhor que faria a pessoa mais feliz, ou o contrário: comprar o mais caro porque é garantia de que é bom ou ainda fica melhor para mostrar aos outros; queixar-se das condições econômicas que te impedem de fazer mais com o dinheiro que tem, ou seja, transferir sua responsabilidade pessoal com o dinheiro para o cenário externo são exemplos muito simples porém aceitos como normais na nossa sociedade que espera nossa postura passiva diante do dinheiro. 

Como mudar isso? O ponto fundamental é lembrar que todos somos capazes de produzir com o nosso talento natural, que é algo inato, especial e merece nossa atenção. Lógico que isso não substitui o trabalho de apurar este talento com qualidade, com dinamismo e profissionalismo. O que precisamos plantar no nosso coração, que é de onde tudo parte, é a ética mais profunda e inteligente. Ética é riqueza. 

Sei que você vai questionar porque parece que estes dois conceitos não andam juntos. Falso. Ética anda junto com a riqueza porque ela vem diretamente desta fonte. Fazer ao outro o que quer que te seja feito implica em buscar o melhor na relação. Muita gente não é ética consigo mesma e nem com os outros, mas não porque faz falcatruas; age de forma mesquinha, controlando tudo, tudinho, para não ser passada para trás ou enganada. É aquela pessoa que vai chiar por centavos mas fará vista grossa em situações que para ela são convenientes, e o ideal era que buscasse uma posição imparcial. Pense comigo: se todos fossem éticos, não seria preciso tanto controle, tanta desconfiança e rigidez. As relações seriam transparentes e claras, sem perder a elegância, charme e bom senso. 

A pobreza se baseia na falta, e por faltar, quem tem tira do outro. Não é roubo, mas tão pernicioso quanto: tira a alegria de ver o progresso, ver quem prospera. Prosperar é o oposto da pobreza, empobrecer. Coisa pobre é aquela que você não queria, mas acha que “tá de bom tamanho” e beira a mediocridade. Não fica feliz, porque no fundo não era o seu desejo verdadeiro. Sabe quando você compra algo “similar”  a aquilo que desejava ter? Exatamente assim. Em geral, não te satisfaz e não preenche sua vontade de realizar, concretizar. É o genérico sem gosto. 

Muitas pessoas com dinheiro convivem com a pobreza interna negando para si o que há de bom na vida; agem com mesquinhez consigo mesmas, pensando em guardar para os “dias difíceis”, “para uma necessidade”. Sempre pensam o pior e tem medo de tudo que as cerca, porque tudo é ameaça. Ora, como uma oportunidade pode chegar em quem vê o mundo como ameaçador, cruel, uma fonte de maldades? Isso é pensar pobre. 

Pensar rico, pensar com prosperidade implica em ver oportunidade em tudo que cerca a si e aos outros. O orgulho é a grande raiz da pobreza, porque impede a pessoa de correr o risco de ser feliz mesmo que tenha que fazer algo humilde, algo novo, que tem a possibilidade de não acertar logo de cara. Pode ser que a pessoa caia, erre, passe vergonha... que são coisas de quem é pobre de alegria, de humildade e é rico de soberba. 

Riqueza adora humildes, que são abertos ao novo, ao que vem de bom do mundo; eles controlam gastos, sabem fazer dinheiro e enxergam muito além das notas a prosperidade, o caminho de sempre fazer mais e mais com seu conhecimento. Lembre que riqueza vai muito além de dinheiro, portanto deixe a pobreza de lado em toda a sua extensão e permita que a riqueza seja plena na sua vida.

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. Contato: suyen@suyenmiranda.com.br

Comente