Seguro-fiança: mal necessário ou boa saída?