Quanto custa ter um cachorro em casa?

Quanto custa ter um cachorro em casa

Criar um animal pode proporcionar as maiores alegrias de um ser humano. Porém, dar apenas amor ao bichinho não basta. É importante lembrar que animais domesticados exigem cuidados, e eles nem sempre são baratos.

O primeiro passo para quem quer ter um cão ou um gatinho, sem gastar uma fortuna, é procurar um lugar onde se possa adotar um. Existem diversas Ongs que promovem esse encontro, entre quem quer adotar e ser adotado. Uma delas é a Cão Sem Dono, localizada em Itapecerica da Serra. A marca de ração Pedigree também mantém um projeto chamado Adotar É Tudo de Bom, e parte da renda da marca é destinada a ajudar cães sem lares.

De acordo com a Dra. Carla Alice Berl, diretora do Hospital Veterinário Pet Care, o primeiro passo a ser tomado por quem adota um cão, de rua ou de Ongs, é deixar o animal bem à vontade em um lugar da casa e ir, aos poucos, apresentando os outros ambientes para o amiguinho. "Comece por um lugar menor, desta maneira ele ficará mais situado no novo ambiente sem exacerbar o estresse da mudança", diz a veterinária.

Caminha, comedouro, ração, brinquedinhos, tapete higiênico (para o xixi e coco) e, no caso dos gatos, a bandeja sanitária e areia granulada são, normalmente, os primeiros gastos do novo tutor. A Dra. Carla Alice Berl ressalta outros gastos para manter a saúde do amigo nos seus primeiros meses de vida: "Nos primeiros quatro meses é necessário realizar a vacinação, e isso depende da orientação do veterinário de sua confiança e de qual protocolo será utilizado. O valor gira em torno de R$ 300,00, fora exames e consulta". Esse valor pode variar de acordo com a clínica escolhida.

Não podemos esquecer que há os gastos fixos, por exemplo, alimentação, dependendo do tamanho do cão e a qualidade da ração. Banhos e tosa em petshops poderá ser outro gasto semanal ou mensal. "Entre o 4º e o 6º mês de vida do animal é interessante pensar em realizar a castração. É importante não esperar mais do que seis meses de idade para fêmeas e para machos a partir do 4º mês até o 8º mês".

É muito importante não esperar que o bichinho adoeça para levá-lo ao veterinário. Assim como os humanos, os pets também necessitam de consultas de rotina. "O ideal é levar sempre o filhote ao veterinário para avaliar se está com boa saúde, fazer exame de fezes para excluir parasitas intestinais e programar a data da vacinação", recomenda Dra. Carla.


A veterinária afirma que só vacina filhotes após eles estarem na nova casa há mais de uma semana. "Ele estará menos estressado e responderá melhor à vacina, além de já termos consultado e feito todos os exames para termos certeza que não irá ficar doente por causa da vacinação. Então a ordem é: uma consulta, exames, orientações e depois a vacina", finaliza a doutora.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente