Promoção nem sempre é um bom negócio

Promoção nem sempre é um bom negócio

Foto: Tokyo Space Club/Corbis

Se existe algo que atiça o instinto consumista é ver a plaquinha "oferta" ou "promoção" junto de uma vitrine, balcão ou impressa nas revistas e jornais; quando aparece nas páginas da internet chega a ser luminosa de tão apelativa. De fato, muitas vezes é oferta mesmo, com redução de preço ou alguma vantagem compensadora - mas para ser verdadeiramente boa é preciso tomar certos cuidados que muitas vezes passam despercebidos.

O primeiro ponto a pensar é controlar aquela emoção danada de poder comprar algo. Vejo muita gente que gosta de comprar alguma coisinha, dá um colorido no dia - mas deixa manchas no extrato bancário... Pense se realmente precisa daquele item naquele momento. Por vezes é até algo que se deseja comprar, mas pode esperar uns dias. É o caso de supermercados com promoções que duram de um determinado dia até outro, e comprar um alimento perecível só porque está em oferta pode não valer a pena se não for consumido dentro do prazo de validade, ou seja, quase imediatamente.

Depois de analisar se vale a pena, veja se você tem condição de consumir a oferta sem criar problemas futuros. Aqui a situação vale para oportunidades maravilhosas que podem compensar de fato; no entanto é preciso verificar se tem caixa (dinheiro) para bancar a empreitada com tranquilidade.

Em compras de automóveis ou imóveis as ofertas aparecem com bons descontos e podem ser aproveitadas desde que de forma planejada, pois é importante lembrar do poder de compra e do financiamento envolvido - será que teremos como pagar as parcelas de um carro em 24 meses sem juros com o orçamento em ordem?

Quanto a redução de taxas, que acontece principalmente nos automóveis e eletrodomésticos, vale o mesmo cuidado: por vezes é melhor esperar um pouco e guardar o dinheiro para dar uma boa entrada (no caso de automóveis) para minimizar o financiamento, que sempre tem juros e taxas do próprio financiamento. Um eletrodoméstico com isenção de impostos fica mais barato, mas para aproveitar isso bem a compra tem de ser financiada sem juros num prazo curto - senão é melhor esperar e poupar para então comprar com tranquilidade.

No entanto, você sabe de tudo isso, tem um pensamento racional e lógico que faz sentido esperar mais, controlar a compra e evitar as dívidas. Só que no dia a dia ainda acontecem os deslizes, e já se percebeu comprando itens em promoção que não foram utilizados - aquela famosa blusa com preço baixinho, mas de cor que não era exatamente a que você queria, ou ainda a calça meio larguinha mas com um preço maravilhoso, que só precisa de uns ajustes (mas você não fez e nem levou para a costureira fazer!).


Nestes casos, que são até engraçados agora que lembramos, mas doem no bolso quando nos arrependemos, vale a máxima de não levar cartão de crédito ou cheques na bolsa. Por quê? Sem estas duas pecinhas consumistas quase incontroláveis ao seu alcance, dá tempo de ir até em casa, repensar a compra e voltar com um pensamento mais racional se vale a pena gastar ou não.

Para finalizar, fica o lembrete: ofertas e descontos especiais são excelentes quando atendem ao que precisamos: é a hora de comprar um novo automóvel e as taxas sem IOF compensam; ou ainda aproveitar o desconto na compra de mais itens quando eles são consumidos rapidamente. Quando for uma compra parcelada, a oferta precisa ser analisada em detalhes. Em muitos casos o desconto só vale quando a compra é à vista, pois os juros no financiamento podem ser mais altos que recomendado. Daí que comprar à vista sempre é a melhor opção por ter o mínimo de custo financeiro envolvido e proporcionar desconto. Mesmo que seja um desconto de 3% já interessa, pois as aplicações financeiras ficam muito abaixo disso. Fica a dica!

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. suyen@suyenmiranda.com.br

Comente