Poupar, o mais difícil é começar!

Ainda no século 21 há quem pense que nunca alcançará sonhos, nunca terá controle financeiro, nem poderá dar um novo destino ao dinheiro por conta de crenças muito enraizadas, do tipo: "Não nasci em berço de ouro", "Preciso nascer novamente para isso acontecer", entre outras coisas.

O que acho curioso é que quase ninguém se lembra de que todas as riquezas que conhecemos tiveram início a partir do número um. O primeiro, inicial e ponto de partida. Mesmo nos livros de história - onde muitas vezes a história é contada pela civilização iniciada no Crescente Fértil, área que atualmente é o Iraque, veja só - não se menciona o crescimento gradual das riquezas; somente o aspecto e panorama do momento estudado.

No entanto, não houve civilização que tenha começado com um patrimônio, espólio, ou "tesouro", "handicap". Sempre foi necessário lutar pela sobrevivência. Precisar colher, depois armazenar de forma inteligente para que seus descendentes pudessem comer e sobreviver. Poupar para garantir o futuro!

O impossível é outro termo recorrente quando falamos em reduzir despesas. No primeiro momento é incrível o quanto coisas são "impossíveis". Outro dia ouvi alguém dizer que era impossível viver sem celular; quanta gente viveu e morreu sem conhecer este artefato? Ou quando dizem que é impossível guardar 5% do que se ganha para uma eventual reserva financeira? Simples é: separe 5% do valor, deposite numa conta de poupança a qual você tenha deixado o cartão de saque bem distante da sua carteira, e finja que o dinheiro guardado foi gasto numa pizza, ou em roupinhas no shopping. Vai ficar bem mais fácil.

Este gastinho que representa este dinheiro guardado pode ter o tamanho que quiser, pois será 5% do que você ganha, ou declara ganhar. Só 5%, bem menos do que a taxa cobrada pelos bancos para empréstimos em geral, e ainda menos que o valor praticado no cheque especial. Será que cabe no seu orçamento ter esta "despesa" todo mês? Cabe!

O mais difícil é começar. Como sempre, o primeiro, o pontapé inicial é onde temos maior resistência, pois parece que nunca irá crescer, ficará sempre pequeno. Engano seu: em cálculos bem simples, 5% por mês fará 60% em um ano, ou seja, mais da metade dos seus ganhos mensais estará guardada, isso sem contar o ganho da aplicação, se for poupança.

O exercício de guardar 5% é interessante e fundamental para auxiliar no controle e costume de poupar dinheiro, porque parte de um volume pequeno. Volto a dizer: nada nasce grande. As fortunas atuais começaram a partir de alguém que teve a coragem de vencer o medo do começo - seja por contingência: ou faz ou não sobrevive, ou por esperteza: garantindo para os momentos difíceis da vida - e não desanimou em meio à caminhada rotineira da poupança. Até porque quando você começar a ver novos dígitos em sua conta corrente, ou um volume maior de dinheiro guardado após seis meses, vai sentir algo como uma compulsão positiva, um hábito saudável de ter mais dinheiro guardado, fazendo você poupar antes de gastar.

Todo mundo conhece uma história parecida: o pai e a mãe - ou só um - veio da Europa arrasada pela guerra para o Brasil sem nada, ou talvez umas poucas peças de roupa e alguns trocados. Ao chegar, os imigrantes trabalharam muito, controlaram seus gastos, guardaram o que puderam (por vezes bem mais que os 5% que você reluta em começar) e em alguns anos passaram de financeiramente frágeis para solidamente fortes. E assim muitas fortunas nasceram e prosperaram em nosso país.

Quando falo em poupar mesmo com pouquinho, lembro que contrair dívidas também começa assim, aos pouquinhos. Não conheço gente que comece dívidas em grande estilo, estourando tudo logo de saída - talvez existam casos, mas quais instituições financeiras abririam os cofres tão fácil assim? - mas sei de quem começou estourando a conta em pouquinho, "coisinha mínima", e acabou contraindo dívida em cima de dívida, numa bola de neve exponencialmente perigosa. Pois é, dívida também começa: 10% ao mês são somente 120% ao ano, em cálculos bem básicos, pense nisso.


Para concluir, lembro que nós também nascemos pequeninos, sem barreiras que nos impedem de discernir o que é possível do real impossível, que chamo de inviável. Na infância, quando somos somente sonhos e vontade, parece que nada é impossível! Que tal lembrar deste momento de início e reiniciar nossa postura, começando os primeiros passos por um futuro mais saudável financeiramente começando com o pequeno, com os 5%, com um pequeno valor? Garanto que esta quantia inicial fará diferenças positivas em sua vida, tal qual a moedinha Número Um do Tio Patinhas. Você vai lembrar desta quantia no futuro com uma vida bem melhor financeiramente.

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. suyen@suyenmiranda.com.br

Comente