Pobres pagam mais imposto que os ricos no Brasil

[img=1]

A palavra desigualdade é recorrente quando o assunto é a situação econômica brasileira. Segundo levantamento feito pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) esse mês, os 10% mais ricos concentram 75% da riqueza do país. Para agravar ainda mais o quadro de desigualdade, os pobres pagam mais impostos que os ricos.

O estudo, apresentado ao CDES (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social), constatou que os 10% mais pobres do país comprometem 33% de seus rendimentos em impostos, enquanto que os 10% mais ricos pagam 23% em impostos.

"O país precisa de um sistema tributário mais justo que seja progressivo e não regressivo como é hoje. Ou seja, quem ganha mais deve pagar mais; quem ganha menos, pagar menos", declarou o presidente do Ipea, Marcio Pochmann, durante a apresentação do levantamento, que foi feito por pesquisadores das diretorias de Estudos Sociais, Macroeconomia e Estudos Regionais e Urbanos, para contribuir na discussão da reforma tributária.

A injustiça tributária e a situação desfavorável aos pobres é provada em números. Os impostos indiretos (aqueles embutidos nos preços de produtos e serviços) são os principais potencializadores dessa desigualdade. Os pobres pagam, proporcionalmente, três vezes mais ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que os ricos. Enquanto os ricos desembolsam em média 5,7% em ICMS, os pobres pagam 16% no mesmo imposto.

"As mansões pagam menos imposto que as favelas, e estas ainda não têm serviços públicos como água, esgoto e coleta de lixo", alertou o presidente do Ipea.

Por Karina Conde

Comente