Planeje os seus investimentos

Gráfico de investimentos

Quando você pensa em investimentos imagine que dinheiro e prazo fazem parte da equação. Antes de escolher a sua estratégia estabeleça tudo em uma linha do tempo. No mundo das finanças existem três divisões básicas: curto, médio e longo prazo.

Investimentos mais rápidos equivalem a propostas conservadoras e, conseqüentemente, rendimentos modestos. No objetivo de médio e longo prazo é permitido arriscar um pouco mais, afinal, são eles que vão proporcionar maiores rendimentos.

Nós mesmas é que vamos estabelecer a parcela de risco. Mulheres mais conservadoras não se sentem confortáveis com as oscilações de preço e investimentos. Já as moderadas não ligam tanto para isso e até abrem mão dessa segurança para obter maior rentabilidade. E a agressiva trabalha com objetivo de aumentar o seu patrimônio, por isso aplica em mercados de maior risco. Como diz o velho ditado “quanto maior o risco maior deve ser o potencial de retorno”.

Esteja certa que de vez em quando a maré não é para peixe, por isso nada como o bom e velho planejamento. Nessa hora é necessário pensar em três palavrinhas mágicas:

Liquidez - quanto mais fácil e rápido você converter a sua aplicação em dinheiro, maior a liquidez. Essa regrinha não é muito importante caso você esteja investindo no longo prazo.

Segurança - qual é o risco envolvido? Para algumas pessoas risco é perder qualquer dinheiro, por isso optam por aplicações conservadoras. Do outro lado há aquelas com medo das suas aplicações nem acompanharem a inflação e o gradual aumento do custo de vida. Nesse caso, a opção é aplicar em investimentos de maior risco.

Rentabilidade - o que você espera do seu investimento? O retorno da aplicação, certo? Neste caso é fácil. Investimentos conversadores equivalem a resultados seguros e menores. Os de maior risco significam oportunidades de ganho maiores, mas, é claro, a queda é mais alta.

Fonte - Guia de Planejamento Financeiro BOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo).

Comente