Pesquisa de preços: seu bolso agradece!

Pesquisa de preços seu bolso agradece

Você pode até estar pensando: "grande novidade"... Mas o fato é que muitas de nós, consumidoras de plantão, ainda caímos na tentação de promoções e compras por impulso sem nos preocuparmos em pesquisar preços antes de sacarmos a carteira. E, gente, essa é uma prática que pode render uma boa economia no fim do mês!

Para falar a verdade, a culpa não é somente do nosso comodismo. As ações de marketing de lojas, supermercados e qualquer outro estabelecimento comercial são fortes mesmo. Basta uma plaquinha de "a promoção acaba hoje!" e lá vamos nós, sem nem mesmo analisarmos realmente a verdadeira necessidade do tal produto.

"E às vezes o item anunciado como mais em conta custa até mais caro do que em algum outro estabelecimento por perto", diz Adriana Pereira, assistente de Direção do Procon de São Paulo. Ela diz que, normalmente, as pessoas se lembram de realizar pesquisas de preços em épocas sazonais, como em dias que antecedem a volta às aulas e o alvo é o material escolar. "Mas no dia a dia, a prática é quase sempre deixada de lado. E, olha, há itens como remédios e alimentos que têm enormes diferenças de preços de um estabelecimento para outro".

Mas, cá entre nós, quem é que, hoje em dia, tem tempo e paciência de se deslocar para lá e para cá para conferir os preços dos produtos? Bom, atualmente, diz Adriana Pereira, ficou um pouco mais fácil pesquisar. "É possível conferir os preços por meio de anúncios nos jornais, pela TV, pela internet. O próprio Procon realiza pesquisas de preços de diversos produtos e serviços, entre eles as taxas cobradas pelos bancos, e disponibiliza gratuitamente aos usuários. E mais, na internet existem buscadores de comparação de preços facilmente acessados". Importante lembrar que não são apenas produtos que devem ser pesquisados, mas também a contratação de serviços.


A assistente de direção do Procon já alerta para a pesquisa de preços que deve ser feita em relação ao Dia dos Pais, mês que vem. "É bom não deixar para a última hora. Pelo menos dez dias antes, é bom que o consumidor já procure pelo produto em várias lojas por onde passar".

Por Adriana Cocco

Comente