O que que tá pegando com suas finanças?

Suas finanças são reflexo absoluto de como você dá valor a si mesmo - Entenda
problemas financeiros

Não é culpa só da crise, acredite! Foto - Istock/ Claudiad

Se for para começar a conversa dizendo que tudo é culpa da crise, do governo, do seu emprego, dos seus pais, da descoberta de água em Marte... melhor você não continuar a leitura. Vai poupar minutos que podem afetar seriamente seu sistema vitimizador – e corre o risco de modificar isso, algo que no fundo você não quer mexer, ao menos agora. No entanto, se já amadureceu um bocadinho para entender que ninguém tem poder mais que você mesmo, prossiga.


Sim, o que você tem na sua vida é resultado do que plantou, mesmo que seja você alguém com menos de dez anos – e teve tempo suficiente para perceber que o mundo é dirigido pelo que cada um faz, conscientemente ou não. “Ah, mas e a criança que acaba de nascer, ela já vem com o destino financeiro traçado?” Sim, quando pensamos e percebemos que todos tem condição de alcançar resultados pela simples questão de estar vivo: no mundo atual oportunidades existem até para quem tem problemas cognitivos, graças às leis de inclusão. Portanto, não há mais desculpa...

Suas finanças são reflexo absoluto de como você dá valor a si mesmo. Simples assim. Se você valoriza quem é de verdade, gosta do que alcançou como pessoa e fortaleceu sua estima pessoal por certo está com sua vida material acompanhando este cenário; se existem dívidas descontroladas, dificuldade em receber dinheiro e restrições, posso assegurar que você está se restringindo ao mínimo necessário, por inconscientemente acreditar que só merece isso: o mínimo necessário.

Muita gente aprende ao longo da vida que não se deve dar valor a si, primeiro os outros. Muito errado isso. Primeiro lugar é sempre o seu, até porque se você não existir para si, como poderá existir para os outros? Só podemos dar o que temos, portanto primeiramente reveja seu conceito sobre quem você é e o que merece, para então perceber onde seus talentos criativos e inovadores estão sendo direcionados e então tirar proveito deles: primeiro para você, o ser mais importante da sua própria vida, e depois para quem estiver próximo a você.

A confusão financeira tem raízes profundas que estão no sistema de crenças da sociedade ocidental que considera, ainda hoje, uma virtude ser pobre. Este conceito manipulado por séculos pela Igreja repercute em muitos que temem um julgamento divino ou de quem quer que seja. Detalhe: o maior algoz deste julgamento não está no outro, mas na própria pessoa – que se culpa pela situação que vive, por ser como é e tudo o mais. Daí a procura pelo culpado externo que a coloca na confortável posição de vítima.

Muito poucas pessoas no mundo podem ser verdadeiramente vítimas, e destas outras tantas saem desta posição confortável porém infeliz agindo com coragem e correndo o risco de dar certo. Refugiados saem de seus países deixando cultura e familiares para construir, sem qualquer base material, condições para gradualmente se estabilizarem porque valorizam a vida, valorizam a si mesmas e portanto deixam qualquer orgulho de lado em prol de uma vida melhor. E conseguem.

Se você não é refugiado, maravilha, tem pontos na frente; está empregado, melhor ainda. Tem um emprego ao menos, ou trabalha por conta própria? Já tem mais oportunidade do que quem passa o dia buscando água para beber como milhões fazem em lugares inóspitos – e estas pessoas não se colocam como vítimas, elas fazem a parte delas em busca de melhoria. Você tem tudo, mas está sem o mínimo para te fazer sentir pleno no seu potencial de prosperidade.

 Então, vamos ao lado prático: o que fazer para mudar isso:

1. Valor pessoal

Sim, trate de gostar de você e aceitar como você é. Você não é Gisele, não é Trump, você é você e merecedor de coisas boas que VOCÊ vai proporcionar a si acima de tudo. Portanto, deixe a opinião dos outros de lado e faça o que for necessário. Está sem dinheiro? Pegue para fazer uma faxina e capriche, no fim do dia terá um dinheiro capaz de dar base para investir uma parte e fazer cartões promovendo sua faxina; sofistique aos poucos cobrando por hora para limpeza de escritórios, torne-se um MEI e faça uma carteira de clientes empresas para quem você limpa regularmente e comece um movimento virtuoso até empregando gente para te ajudar. Este é um simples exemplo, comece e ouse fazer porque você merece.

2. Valor do seu trabalho

Muita gente acha que precisa ajudar o mundo porque é assim que se faz caridade... PARE COM ISSO! Ajudar tem mais a ver com orientar, ensinar, itens que custam muito mais caro que dinheiro e trazem resultado verdadeiro. Daí pare de desperdiçar o que faz, pare de agir descontroladamente com seu dinheiro com atitudes do tipo “deixar o dinheiro amassado no bolso” e não é porque você não tem condição de comprar uma carteirinha, mas porque não dá valor ao que produz. Não faz orçamento financeiro e deixa tudo correr solto, só pagando conta. Tudo errado. Comece a valorizar o que faz, seja seu rendimento cem reais, ou milhares de dólares; não é porque dinheiro está na sua mão que vira vendaval e sai, ele é gasto por você, conscientemente ou não. Valorize o que você produz, pois é parte de você.

3. Valor da atitude

Você leu este texto e tantos outros sobre prosperidade, riqueza, abundância, etc. mas ficou só na leitura. Entendeu tudo mas não colocou nada em prática. Comum isso, e o nome é procrastinação. Quem procrastina, deixa para depois, no fundo tem tanto medo de ser criticado e pune a si mesmo porque se desvaloriza, não sabe lidar com o fracasso e o erro. NÓS SÓ APRENDEMOS SE ERRARMOS. Você anda hoje porque caiu no passado, mas era uma criança que dava valor a si e não ficava pensando no que os outros iriam dizer porque caiu, simplesmente levantou e tentou tantas vezes fossem necessárias até ficar em pé e andar. Faça o mesmo com sua vida prática: tome atitude. Melhor errar do que nada fazer, até porque não existe erro: o aprendizado requer tentativa e erro até para tornar natural o acerto. Saiba que todos, absolutamente todos os indivíduos de sucesso erraram, tomaram porta na cara, ouviram “nãos” e foram recusados, porém não desistiram. Você é tão preparado quanto os bem sucedidos, só falta CORAGEM E HUMILDADE para errar, ousar, acertar e brilhar.

Então, o que é que você está esperando??? AJA!!!!

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. Contato: suyen@suyenmiranda.com.br

Comente

Assuntos relacionados: suyen miranda finanças crise financeira