O que fazer com o 13° salário?

O que fazer com o 13° salário

Foto: Imagemore Co, Ltd/Corbis

Com a proximidade do fim do ano, muitos profissionais já começam a planejar como pretendem gastar o 13° salário. Alguns projetam usufruir em viagens, presentes para familiares e aquisição de novas roupas e sapatos. Já outros pretendem dar entrada em uma casa ou carro próprio.

Mas, de acordo com Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac - http://www.anefac.com.br) , antes de gastar todo o seu salário e o 13° lembre-se de fazer uma reserva para as despesas de começo do ano. "Guardar dinheiro e aplicar em investimentos é a melhor decisão que o consumidor pode fazer, pois servirão para ele, lá na frente, realizar algum sonho de consumo como comprar um carro, viajar entre outros", orienta.

Ele afirma ainda que esta economia pode servir para períodos mais difíceis como queda de renda, desemprego, despesas extras como as de começo de ano - IPTU, IPVA, livros, matrículas e livros escolares - eventual gravidez e doença. Além, é claro, de juntar recursos para a educação de filhos ou até a aposentadoria própria.

Onde investir?

Sobrando o dinheiro, deve ser aplicado na caderneta de poupança, tesouro direto e fundo de renda fixa. "Se for um investido mais agressivo, aplique em um fundo de renda variável - aplicações em ações. Estes tipos de investimentos são seguros e têm bom rendimento", avalia Oliveira. "Dessa forma, estes recursos aplicados podem significar no futuro a realização do sonho da casa própria", completa.

Já para quem aproveita o fim de ano para fechar pacotes de turismo ou viagens, o vice-presidente da Anefac alerta que não é um bom momento para realizá-los, pois estão mais caros. "Temos dois períodos em que os custos para viajar são mais altos: férias escolares e festas de fim de ano. Assim sendo, sempre que possível, evite comprar estes pacotes", alerta.

E complementa: "Entretanto, mesmo nestes períodos, aparecem boas alternativas na medida em que a temporada é alta aqui no Brasil, mas é baixa em outros locais, como, por exemplo, na Europa".

Agora se você pretende realizar novos financiamentos, fique atento! Miguel ensina que você só poderá realizá-los quando os financiamentos anteriores estiverem quitados. "Outro cuidado é não gastar no período de festas - Natal e Ano Novo - mais do que ganhou, pois uma parte para precisa ser guardada para as despesas do começo do ano", assegura.

Ele ressalta ainda que despesas e investimentos são vertentes diferentes. Sendo assim, quando você compra roupas, sapatos, objetos pessoais e até mesmo carros são despesas, pois perdem o valor e com o tempo se desgastam. Já casas e imóveis são bons investimentos, pois a pessoa pode ganhar algum dinheiro realizando locações. "Todo o tipo de investimento é bom. Significa que este consumidor está preocupado em guardar dinheiro, ou como no ditado popular, fazer um pé de meia", mostra Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente