O que dá para comprar melhor com a redução do IPI?

Como aproveitar a redução do IPI

Foto Salvatore Vuono Images/ http://bit.ly/9jK8xD

Esta pergunta é pertinente porque o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foi reduzido a partir de março de 2012 e deve continuar com alíquota mais baixa até o fim de Junho, como divulgado pelo Governo Federal. Isso significa que, para produtos como móveis o imposto deixa de ser cobrado. Já para eletrodomésticos de linha branca (geladeiras, fogões), papéis de parede e luminárias o imposto caiu pela metade ou teve boa redução. Com isso, não faltaram matérias estimulando o consumo para aproveitar o preço. Mas fica a pergunta: vale a pela comprar estes itens agora por conta desta redução?

A resposta vai variar de acordo com cada caso, mas um ponto é comum: se a compra for à vista, compensa. Em itens como fogões e tanquinhos, a cobrança do imposto foi suspensa, e isso pode representar até 10% de desconto no preço final do produto. No entanto, se esta compra for parcelada com juros, esta diferença desaparecerá e teria sido melhor poupar mensalmente o valor para comprar à vista mesmo com a incidência do imposto.

Trocar eletrodomésticos só pelo valor não é e nunca será uma medida financeiramente boa. O preço dos eletrodomésticos tende a cair até porque as novas tecnologias fazem com que os produtos mais antigos tenham descontos. O que no passado era o preço de um ferro de passar hoje é capaz de comprar itens como batedeiras, que sempre foram mais caras. De modo geral, à medida que a indústria produz mais, os preços dos produtos apresentam redução ou ficam mais acessíveis, isso no que diz respeito aos eletrodomésticos.

Luminárias, papéis de parede e outros itens como móveis tiveram boa redução do imposto, e isso pode ser traduzido em descontos de ao menos 10% no preço final. Se é o caso de comprar estes itens, analise bem porque tanto móveis quanto luminárias são itens que não trocamos constantemente, daí vale avaliar a compra para que seja uma boa relação custo-benefício: com bom preço e durabilidade. Analise também se agora é a hora certa para esta compra; muita gente quer mudar a "cara" da casa mudando os móveis, mas para isso é preciso avaliar se há recurso financeiro para este investimento. Lembre que a compra destes itens tem de ser à vista para compensar o desconto do imposto.

Para quem quer atualizar a casa há outras alternativas mais em conta do que trocar a mobília: reposicionar móveis, consertar eventuais quebras e pintar, dando um ar novo com baixo custo; pintar a casa (que de quebra ajuda a valorizar o imóvel), colocar almofadas transadas (que podem ser artesanais). No que diz respeito a eletrodomésticos, se o aparelho estiver quebrado, veja se compensa consertar; hoje em dia, pode ser que o preço do conserto seja quase a metade de um eletrodoméstico novo, entretanto, não custa pesquisar e avaliar, certo?

O importante no que se refere a comprar aproveitando uma vantagem de preços proporcionada pela política econômica está em não fazer disso uma dívida. Se a compra for parcelada e tiver juros, por mais baixos que sejam os juros cobrados, no final do pagamento o produto terá custado 10% a mais (nas melhores hipóteses) do que o preço à vista - e assim custará o mesmo valor com o imposto, anulando qualquer vantagem econômica.


É importante lembrar que a redução deste imposto não faz com que os preços fiquem mais adequados, até porque na grande maioria deles ainda são cobrados impostos relativos a circulação de mercadorias; além disso, o consumidor arca com todos os custos do produto que são embutidos, como o frete da mercadoria, a tributação se fora do estado, entre outros elementos que elevam o valor. Portanto, compre com consciência e analise bem se é o momento certo, porque pode valer mais a pena esperar e comprar melhor. Finalizo lembrando que comprar à vista é sempre mais barato!

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. suyen@suyenmiranda.com.br

Comente