O caminho certo para a aposentadoria rentável

O caminho certo para a aposentadoria rentável

Garantir um bom padrão de vida, na velhice, é possível desde que o trabalhador pense no futuro ainda no presente. Quem já tem em mente o valor que quer receber, ao se aposentar, deve traçar uma estratégia de investimento. Ser um contribuinte da previdência, seja ela privada ou social, é a maneira utilizada para quem quer ter conforto quando não estiver mais trabalhando.

“Se preparar para a aposentadoria deve ser um processo contínuo e fazer parte do planejamento de vida de cada um”, explica Lenir Dutra Cavalcanti, consultora sênior Towers Perrin, em São Paulo. “A expectativa de vida aumentou consideravelmente e os recursos da medicina têm oferecido a possibilidade de uma vida mais saudável. Diante disso, aumenta a necessidade de se programar para o futuro”.

A Previdência Social garante quatro modalidades de aposentadoria ao trabalhador. Quem quiser ser segurado do INSS deve se inscrever e contribuir. Funcionários com carteira assinada têm um valor do salário descontado mensalmente, em folha de pagamento. Esse valor é destinado para a Previdência Social.

Como não são todos os profissionais que possuem registro em carteira, existem outras maneiras de garantir a inscrição na Previdência. Profissionais autônomos ou prestadores de serviços temporários podem pagar como contribuinte individual. E aqueles que não tem renda própria, estudantes, donas-de-casa ou até desempregados podem recolher como contribuinte facultativo. O benefício de aposentadoria da previdência social tem um limite máximo, que hoje é de R$ 3.218,90.

A aposentadoria pode ser conseguida por idade: trabalhadores urbanos do sexo masculino, a partir dos 65 anos, e feminino a partir dos 60 anos de idade podem receber o dinheiro que investiram na Previdência. Aqueles que trabalham na zona rural podem pedir aposentadoria por idade com cinco anos a menos. Os trabalhadores podem contar também com a aposentadoria por tempo de contribuição. Homens precisam comprovar pelo menos 35 anos e a mulher, 30 anos.

Pessoas que trabalharam em condições insalubres podem fazer uso da aposentadoria especial. Para isso, deve comprovar o tempo de trabalho e quais foram os agentes físicos e biológicos aos quais foi exposto, no período exigido para a concessão do benefício. Esse período costuma ser de 15, 20 ou 25 anos.

Aposentadoria por invalidez é o benefício concedido aos trabalhadores que, por doença ou acidente, foram considerados incapacitados de exercer suas atividades ou outro tipo de serviço que lhes sirva como sustento. É importante ressaltar que é a perícia médica da Previdência Social quem dá esse diagnóstico.

Mas se a renda a ser adquirida com a Previdência Social não vai suprir as necessidades, ainda existe a chance de recolher o capital por meio da Previdência Privada. “Esse serviço pode ser oferecido por empresa ou planos individuais comercializados em instituições bancárias e também por seguradoras de vida e previdência”, ensina Lenir. A consultora faz um alerta, no entanto, para a taxa de carregamento, descontada de cada uma das contribuições e que pode chegar a 5%, e também para as taxas de administração, cobradas periodicamente sobre o valor total investido e que podem ser de 1% a 3,5%. As instituições bancárias podem fazer os cálculos necessários para projeções de quanto você precisa recolher com base naquilo que deseja retirar no futuro.


Investir em uma aposentadoria de maneira privada também oferece a possibilidade de liquidez. Isso faz com que ela possa ser sacada antes de você se aposentar - enquanto é recolhida. Mas é importante pontuar que quando o dinheiro for sacado, haverá o desconto do imposto de renda.

Além de aliar a Previdência Social com a Privada, Lenir ainda dá a principal dica para uma aposentadoria rentável. “O bom resultado vem da conscientização e do planejamento”. Aliando esses dois fatores, é possível chegar a um saldo positivo nessa equação do futuro.

Por Cínthya Dávila (MBPress)

Comente