Mudanças de hábitos

Em recente conversa com outros profissionais sobre os rumos da educação financeira no Brasil, falamos sobre o quanto nossos filhos influenciam no nosso próprio comportamento. Vícios, maus hábitos e simples descuidos que precisamos mudar porque os pequenos “alunos/professores” que convivem conosco nos mostram o quanto melhores podemos ser como seres humanos, se fizermos simples mudanças de hábitos. E as crianças não apenas mostram. Elas também cobram.

Todos nós, pais, mães, professores e educadores de modo geral que nos preocupamos com a educação infantil sabemos que o exemplo é a melhor forma de ensinar. As crianças captam e acreditam mais naquilo que enxergam do que naquilo que ouvem. Principalmente quando observam os seres que aparentam ser os mais perfeitos e sabidos que eles convivem: seus pais e mestres.

E é por isso que precisamos ficar atentos. Para bem educá-los temos que nos re-educar. Em várias esferas da vida social. E como podemos ganhar com isso também. É bom para a educação das crianças. É bom para nós mesmos.

Relacionamos, então, exemplos simples do nosso dia-a-dia, que por vezes cobramos das crianças, mas esquecemos de agir da mesma forma:

- Uso do cinto de segurança de maneira contínua.

- Fechar a torneira enquanto escovamos os dentes.

- Respeitar os outros, sejam adultos ou crianças, principalmente idosos.

- Fazer os deveres e cumprir promessas e compromissos.

- Alimentar-se bem, incluindo frutas, legumes e verduras nas refeições.

- Respeitar filas e os direitos dos outros.

- Respeitar e aceitar a diversidade.

- Tomar muito líquido, principalmente água.

- Dormir bem.

- Exercitar-se, de preferência ao ar livre.

- Cuidar da natureza e respeitar todos os seres vivos.

- Ouvir mais do que falar

E aí, voltamos à nossa área de estudos, a educação financeira, com o mesmo foco, e relacionamos algumas orientações que os pais costumam passar às crianças, mas por vezes deixam de fazer:

- Não gastar dinheiro com besteiras.

- Esperar receber a mesada (o salário) para realizar gastos.

- Economizar, juntar dinheiro e planejar as compras.

- Cuidar das próprias coisas.

- Avaliar alternativas de marcas - não prender-se a grifes.

- Criar hábito de poupar, inclusive moedinhas.

- Aprender a diferença entre querer e precisar.

- Aprender a resistir às tentações.

- Evitar pedir coisas emprestadas e devolver quando acontecer.

- Viver dentro do padrão da mesada (renda) e da situação financeira da família.

- Procurar encontrar formas de lazer saudáveis e baratas.

- Aprender a defender-se das armadilhas de consumo.

Começamos, então, a perceber que a maioria dos itens listados eram ensinados e cobrados das crianças, mas muitas vezes nós, pais e educadores, deixávamos de respeitar esses princípios, o que tornava a educação pouco efetiva, pois pedíamos que fizessem o que falávamos, não o que fazíamos.


Surge, então, mais uma oportunidade fantástica em nossas vidas. Melhorar nossos próprios hábitos para que as crianças possam ter em quem se espelhar. E motivados pelo que existe de mais forte no ser humano, o amor por suas crias.

Aproveitemos todos para refletir, melhorar nossos hábitos e aumentar as chances de felicidade de nossos filhos. Cada um pode fazer sua própria lista, incluindo o que julga ser realmente importante para a felicidade das crianças.

Em qualquer ambiente ou sociedade, cada vez mais a educação financeira se faz necessária. Mas não confundir isso com estímulo ao amor pelo dinheiro ou valorização do capital. Lembremos que educação financeira é mais ampla do que isso. Diz respeito à criação de hábitos saudáveis para uso do dinheiro ponderando o presente e o futuro e pensando no prazer e na segurança que o dinheiro pode proporcionar, especialmente quando bem associado a outros valores morais mais importantes do que o próprio dinheiro.

Felicidade e prosperidade a todos. Com ou sem mudanças de hábitos

Álvaro Modernell é colunista de Finanças Pessoais do Vila Sucesso. Palestrante, consultor, autor de livros e sócio da Mais Ativos Educação Financeira, esse especialista te ajudará na tarefa de lidar com o dinheiro

Comente